1 de abr de 2016

Resenha - Prodigy


Livro: Prodigy #2
Série: Legend
Autora: Marie Lu
Editora: Rocco
Páginas: 304
Gênero: Distopia
Sinopse: "Os opostos perto do caos. Depois que um cataclismo atingiu o planeta Terra, extinguindo continentes inteiros, os Estados Unidos se dividiram em duas nações em guerra: a República da América, a oeste, e as Colônias, formadas pelo que restou da costa leste da América do Norte. June e Day, a menina prodígio e o criminoso mais procurado da República, já estiveram em lados opostos uma vez. Agora eles têm a oportunidade de lutar lado a lado contra o controle e a tirania da República e, assim, alterar para sempre o rumo da guerra entre as duas nações. Resta saber se estão preparados para pagar o preço que as transformações exigirão deles."

O livro melhorou 100% de Legend. June e Day escaparam das garras dos militares tendo como única chance de sobreviver se aliando aos Patriotas. Entretanto os Patriotas só irão protegê-los e ajudar Day a achar seu irmão em troca de um favor: matar o Primeiro-Eleito. June é a que mais estará desempenhando um papel dentro do plano, e ao conhecer o Anden, ela vê que nem tudo é o que parece. Ela ficará dividida entre ajudar os Patriotas ou acreditar em novo começo.

Definitivamente Prodigy passou longe de tão melhor que é de Legend. A resenha de Legend deixa ver que eu não consegui gostar do livro. E aqui foi completamente o oposto. Sempre reclamei que distopias de sucessos parecem que tem moldes e encaixes que você não consegue diferenciar uma da outra. E com Legend foi assim, um sufoco para acabar e mais na metade do livro já sabia o que ia acontecer. Com Prodigy não.

Aqui a história flui. Com boa parte da população em revolta, em querer saber se Day está vivo e apoiando June, teremos o início de uma modificação do governo e da República. Mais uma vez presente bastante descrições de lutas e planos, a guerra em si vai ser o ponto chave para tudo.

"O vento fustiga meu rosto e sibila nos meus ouvidos, me obrigando a ajustar minha postura constantemente. Eu poderia morrer agora mesmo. Não tenho como saber se os soldados no alto dos edifícios vão me derrubar a tiros antes que eu possa me abrigar com segurança atrás da parede de vidro blindado de uma varanda, a alguns metros acima do resto da multidão. Talvez reconheçam quem sou eu e não atirem." pág. 278

O relacionamento e a paixão enfim conseguiu me convencer. Temos um enfoque maior do livro nisso, e o amor dos dois é colocado em prova diversas vezes. Aquilo que no primeiro momento é tão repentino que fica artificial, em Prodigy, com os questionamentos dos dois lados conseguimos sentir que vai crescer alguma coisa maior. E isso se deu pelo fato do livro ter novamente os pontos de vistas dos protagonistas intercalados. 

O plot do final do livro não foi engradecedor entretanto também não foi esperado. De alguma forma a autora encaixou algo à mais para fazer a entrada do terceiro livro só que ao meu ver deixou a desejar. Ainda não consigo entender como tanta gente conseguiu gostar dessa distopia.

É difícil resenhar livros curtinhos, sem soltar spoilers principalmente como esse. O que eu super indico é: se não curtiu Legend, dê pelo menos uma chance a Prodigy. Uma distopia que trata de comando de bases militares, pragas, vírus, diferença social não foge muito da nossa realidade. E isso traz um pouco de credibilidade a história e te faz se interessar mais pelos assuntos.

Ainda vai demorar um pouco pra pegar no último livro da série porque a história não está sendo desesperador pra ler um atrás do outro. Vou dar mais um esforço porque de fato o livro cresceu do primeiro para o segundo, todavia para mim ainda falta muito pra ser algo inovador do mercado. Aguardemos os últimos capítulos.

"Seja qual for a verdade, vou ter de jogar esse jogo com muita cautela."pág 127

Uma coisa que não tinha comentado na resenha de Legend foi a diagramação dos livros. Impecáveis! Apesar de muitas pessoas reclamarem que a lombada deixa a desejar, a diagramação é linda. E querendo ou não tem muito haver com a história.

E vocês, já leram Legend ou pretendem dar uma chance? Deixa nos comentários.

2 comentários :

  1. Pretendo ler essa distopia com certeza. Li a resenha do primeiro livro aqui, e adorei a premissa da estória, principalmente por te uma trama muito bem construída, o que me chamou atenção nesse segundo livro, foi o fato de amor existente entre os personagens ter sido mais tocado na estória, esse já ta na minha lista de desejados.

    ResponderExcluir
  2. Tenho uma vontade enorme de ler essa distopia, eu gosto muito da premissa e já vi muita gente fazendo comentários positivos sobre ela. Agora fiquei com mais vontade de ler a trilogia e tirar as minhas conclusões. E que bom que a leitura desse segundo livro rendeu mais do que o primeiro, só espero que a autora consiga fazer um belo final pra esse casal. Beijo!

    ResponderExcluir