30 de mai de 2016

Literatura Fantástica #4

Depois de tanto tempo, vamos voltar com as indicações de livros por gênero. E hoje é dia de Fantasia, o gênero que mais ocupa minha estante e aquele que mais ostenta as temíveis séries na atualidade. É muito difícil definir e fechar o gênero porque pra cada pessoa fantasia pode ser subdividido ou não. Mas vamos a definição geral:

Fantasia é um gênero da ficção em que se usa geralmente fenômenos sobrenaturais, mágicos e outros como um elemento primário do enredo, tema ou configuração. Muitas obras dentro do gênero ocorrem em mundos imaginários onde há criaturas mágicas e itens mágicos. Geralmente a fantasia distingue-se dos gêneros ficção científica e horror pela expectativa de que ele dirige claramente de temas científicos e macabros, respectivamente, embora haja uma grande sobreposição entre os três, todos os quais são subgêneros da ficção especulativa.

E ai entra opinião pessoal minha. Pra mim fantasia se separa de sobrenatural. Acho que sobrenatural está enraizado no nosso cotidiano, como vampiros, lobisomens, anjos que ao meu ver se destaca de fantasia. Pode ser então um subgênero? Sim, entretanto fantasia pra mim se relaciona mais com objetos, itens mágicos, com seres humanos que possuem magias e coisas assim. Então vampiros, lobisomens, anjos, "monstros" em geral para mim é gênero sobrenatural. 

Exemplificando fica mais fácil: Crepúsculo? Sobrenatural; Harry Potter? Fantasia; Instrumentos Mortais? Fantasia; Percy Jackson? Fantasia; Calafrio? Sobrenatural. Feito isso vamos as 4 séries de fantasias que super indico. 

Sombras e Ossos (Trilogia Grisha)



É uma das poucas fantasias no mercado completamente diferente. Utilizando-se de mitologia russa, Leigh Bardugo nos leva num mundo onde existe Grishas, pessoas que conseguem manipular elementos da natureza, em outros casos elementos da humanidade, e pessoas que não possuem poderes. Alina era uma pessoa que não tinha poderes até que em seu trabalho como cartonista de uma base militar, ela teve que passar por uma passagem chamada Dobra, uma área perigosa que tem seres que se "alimentam" das pessoas e que raramente saem vivas, descobre que também é uma Grisha.

A série de modo geral, irá contar essa descoberta dela e  de como vai se adaptar nesse mundo, além de aventuras e situações que acaba se metendo por tornar-se uma Grisha. Eu recomendo MUITO. Todas as séries que irei falar aqui, ao meu ver, se tivessem um pouco mais de marketing estourariam. A escrita é fluida, leve e que te leva pra outro mundo. No primeiro livro você se sente um pouco confuso porque é uma coisa construída que você nunca viu, então vai demorar a absorver tudo, mas depois que você passa isso e anda no fluxo da história você vê como ela é boa. Se eu pudesse seria uma das primeiras séries a entregar a todo mundo que é fã de fantasia. Ela foi lançada aqui no Brasil pela editora Gutenberg e já está completa. Leigh lançou ano passado lá fora um livro que também se passa no universo Grisha (Six of Crows) ainda sem previsão por aqui. Também será lançada pela Gutenberg.

Sombra e Ossos (resenha do blog aqui)


Os Garotos Corvos (A Saga dos Corvos) 



Não tem como citar fantasia e deixar de falar de Maggie Stiefvater. Os Garotos Corvos irão falar de 4 amigos: Noah, Gansey, Adam e Ronan que estão atrás de uma linha Ley (uma espécie de linha mágica) onde está enterrado o rei Glendower a quem eles querem despertar. Paralelamente temos a Blue, uma menina que vem de uma família que possui uma clarevidência, porém ela é a única que não tem. Ela só possui o dom de amplificar os poderes de sua mãe e suas tias. Em todos os anos no dia de São Marcos, ela vai com sua mãe até uma igreja para ajudá-la a ver quais pessoas iriam morrer naquele ano. A surpresa é que Blue vê uma pessoa, um garoto, e ele fala com ela. E futuramente na história ela acabará tendo sua vida interligada à esse garoto.

É incrível como a Maggie faz um universo completamente diferente e novo. Sua imaginação e fantasia são tão incríveis que quando você ler um, você já que ter os outros três na sua mão. É a minha série favorita de fantasia e antes da pessoa falar já estou indicando ela. A escrita da autora é difícil de engrenar no primeiro livro, mas depois que você passa, você devora o restante. Acho que é o mesmo caso com Sombra e Ossos que por ter que apresentar um universo completamente novo, são muitas informações para ser passada e a história andar. Tenho uma paixão enorme pela personalidade  e a personagem Blue e amizade que os 4 garotos tem. O último livro, The Raven King (em tradução literal O Rei Corvo) está previsto para ser lançado no Brasil ainda esse ano (mais para 2° semestre, possivelmente Agosto) e é o que vai fechar a série. Estou muito ansiosa aguardando pois o 3° terminou com um plost de morrer o coração e que com certeza vai fazer o 4° começar acelerado.


A Rainha Vermelha



Uma das apostas de 2015 da Editora Seguinte, A Rainha Vermelha é uma mistura de A Seleção com Jogos Vorazes e para alguns lembram outros livros. O fato é: ele pode ter resquícios de qualquer outra história, porém de uma forma ele é único. A Rainha Vermelha vai contar a história de Mare Barrow, uma menina que possui sangue vermelho, pessoas consideradas pobres e sem poderes, que ao ir trabalhar para os prateados, a nobreza que possui poderes, descobre que tem um poder e ainda tem sangue vermelho. O livro vai trazer toda essa trajetória de descoberta de poderes e a briga de dois príncipes, Cal e Maven, que terá consequências na ação da garota. De segundo plano, temos os problemas políticos que a realeza sofre e que indiretamente Mare vai fazer parte.

É um livro de segurar o coração do início ao fim. Victoria conseguiu fazer uma trama que te prendesse das primeiras páginas até o final, e ainda te traz choque e surpresa a cada reviravolta. Não gostei muito de Espada de Vidro, 2° livro da série, entretanto seu final e o plost pro último livro é angustiante. Recomendo muito porque além de todos esses motivos, tem séries que é legal você acompanhar ela sendo escrita e A Rainha Vermelha entra nesse quesito. Ainda para ser lançado o último (previsto para 2017 tanto no BR como lá fora), essa série foi uma surpresa boa para todo mundo.

Espada de Vidro (resenha do blog aqui)

A Maldição do Tigre 



É uma série que reúne vários elementos pra agradar um grande público. Romance, aventura, fantasia tudo junto e misturado. Colleen me fez amar conhecer a cultura indiana, viajar por vários lugares, amar tigres brancos e negros e me fez devorar esses livros. Apesar do 2° livro ser um lento em relação ao outros, todos se entrelaçam e fecha bem a série.

A Maldição do Tigre vai contar a história de Kelsey, uma menina que vai trabalhar em um circo na sua cidade. Lá ela conhece a maior atração deles que é o tigre branco. O que ela não imaginava é que tinha acabado de quebrar um pouco de uma maldição que aquele tigre estava preso - o tigre era um homem. Ao descobrir que é a única capaz de quebrar a maldição, ela embarca numa aventura que à leva a lugares não imaginados.


Fantasia é um gênero enorme com vários elementos. Se eu quisesse eu faria uma enorme lista aqui e indicaria mais. Porém quis falar mais desses pois acho séries promissoras e que não foram bem divulgadas.

E ai quem ficou com vontade de ler alguma dessas séries? Ou quem sabe me indicar uma nova? Deixa aqui nos comentários (;

26 de mai de 2016

Resenha - Destinado

Livro: Destinado #3
Série: Perdida
Autora: Carina Rissi
Editora: Verus Editora
Páginas: 462
Gênero: Literatura Nacional/ Romance de Época
Sinopse: "Ian Clarke é um homem de sorte e sabe muito bem disso. Ele encontrou a felicidade que tanto almejava ao lado de sua amada (e complicada) Sofia. Não que tenha sido fácil mas o que é simples quando o assunto é sua esposa? O destino tem sido gentil, e por essa razão Ian se esforça tanto para ser um bom marido, um bom pai, um bom irmão. Entretanto sua felicidade começa a ruir no baile de aniversário de sua irmã, Elisa. Ian assiste, impotente, enquanto sua vida perfeita se transforma em uma terrível catástrofe. A noite é desastrosa, e Elisa, a menina que ele jurou proteger, se torna alvo de um escândalo. Mas o pior ainda está por vir. Um assunto do passado, um pesadelo que há muito o persegue, retorna para assombrá-lo. Aterrorizado com a possibilidade de perder Sofia outra vez, Ian segue seu coração na tentativa de proteger a mulher que ama, sem se importar com as consequências. Ele só não suspeitava de que o preço a pagar seria tão alto... Em Destinado: as memórias secretas do sr. Clarke, os leitores vão conhecer um novo capítulo da arrebatadora história de amor de Ian e Sofia desta vez pela perspectiva desse cavalheiro que conquista corações por onde passa."

Destinado irá nos trazer mais uma aventura que Sofia e Ian irão se encrencar. Após Perdida e Encontrada (os dois primeiros livros da série), a máquina do tempo que trouxe Sofia para o século XIX irá voltar, entretanto quem vai achá-la será o Ian. Com os pensamentos rondando que a máquina voltou para levar de voltar sua esposa para 2010, ele entrará em situações que os levarão à encrencas maiores.

23 de mai de 2016

Resenha - Jogos do Prazer

Livro: Jogos do Prazer
Série: Os Rothwells
Autora: Madeline Hunter
Editora: Arqueiro
Páginas: 240
Gênero: Romance de Época
Sinopse: "A bela Roselyn Longworth já aceitou seu destino. Depois que o irmão fraudou o banco em que era sócio e fugiu do país levando o dinheiro dos clientes, suas finanças ficaram arruinadas, assim como suas chances de conseguir um bom casamento. Por isso foi fácil acreditar nas falsas promessas de amor de um visconde. Mas a desilusão não demorou a chegar: quando Rose não se sujeitou a seus caprichos na cama, o nobre se vingou leiloando-a durante uma festa em sua mansão. Ela acredita que o destino lhe reserva um fim trágico. Ainda mais ao ser arrematada por Kyle Bradwell, um homem que venceu na vida pelo próprio esforço, mas não é bem-vindo nos círculos mais exclusivos. Mas a jovem é surpreendida pela atitude dele, que a trata com um respeito e uma gentileza que ela não recebia desde antes do escândalo envolvendo o irmão. Quando Rose finalmente descobre o que está por trás do comportamento de Kyle, é tarde demais: já foi fisgada pelo homem que conhece seus segredos mais íntimos." 

Rose Longworth após a falência do banco do seu irmão junto com a fuga dele com todo o dinheiro, vive uma vida muito difícil. Com poucos recursos, vivendo uma vida precária acreditou que teria uma chance melhor quando criou expectativas com um conde. Entretanto ela não sabia que acabaria sendo considerada como uma prostituta da época e sendo vendida em um leilão. E sendo salva por um homem cheio de segredos.

O que dizer de um livro que considero um dos melhores da série? Mais uma personagem feminina com personalidade forte que ao mesmo tempo precisa ser salva. Rose não deixa transparecer seus momentos difíceis, muito menos abaixa cabeça e não deixa de lutar mesmo a vida lhe impondo várias coisas, ficando sem escolhas. Já Kyle é um homem que cresceu na vida e não tem título. Criado nas minas, viu-se por um momento sendo ajudado por um conde que lhe deu instrução e educação fazendo com que ele assumisse posições melhores, mesmo ainda não sendo bem vindo em certos círculos mais exclusivos.

" - Sei o que você significa para mim. Não estou dizendo que aquele escândalo não importe. Nem que não me incomode. Mas não é tão importante. " pág. 65

O que me deixou mais intrigada e gostei muito é que a autora conseguiu de alguma forma entrelaçar a história toda. Kyle foi uma das vítimas da falência do banco e não aceitou o dinheiro de Lorde Hayden para lhe cobrir o furo. Ele quando salva Rose do leilão e lhe propõe casamento ainda não era apaixonada por ela, mesmo já tendo encantamento pela beleza dela. Foi uma coisa que cresceu aos poucos e que no final lhe fez tomar atitudes que antes ele não iria fazer. Com Rose também, ao caminhar do casamento e da história se viu cada vez mais ligada afetivamente a seu marido que decisões e atitudes que ela dizia não tomar, acabou sendo decisivas para a história.

É uma história de superação, de amor, de cumplicidade e que faz você suspirar. Te encanta, te faz querer odiar profundamente certos personagens e também fala de escolhas. Como algumas escolhas, mesmo aquelas ruins, lhe levam em algum lugar. Tudo tem consequência, e Rose mais que ninguém sentiu isso. Kyle também, já que seu segredo do passado ronda nisso. Eu estou amando cada vez mais a escrita da Madeline porque ela coloca em destaque o sentimentalismo da história, deixando de lado o humor que está presente em muitos romance de época atual para dar ênfase do crescer.

" Às vezes não havia mesmo escolha. Às vezes só havia uma decisão, uma única coisa possível a fazer, se você quisesse uma chance de ser feliz. " pág. 95

Para quem quer tentar entrar em estilos diferentes dentro do romance de época, Madeline Hunter é a escolha certa. É uma escrita que pode demorar engrenar para alguns, porém você se acostuma e quando vê já leu o livro todo.

E vocês, teriam coragem de ler Madelina Hunter? Ou pelo menos dar uma chance? Deixa nos comentários!

20 de mai de 2016

Parceria - Editora Gente e Única Editora

É com grande prazer e orgulho que anuncio a parceria do blog com a Editora Gente e Única Editora. Estou muito contente com esse voto de confiança e espero que só venha felicidade durante esse tempo. Venha conhecer a editora: 



Gente fazendo livros. Livros fazendo Gente.

Fundada em 17 de maio de 1984, a Editora Gente tem orgulho de ocupar um espaço destacado no mercado editorial brasileiro, com grande reconhecimento no segmento e também entre nossos consumidores como uma empresa profissional, inovadora, dinâmica, e, sobretudo, humana. Nosso maior objetivo é contribuir com o desenvolvimento humano. Por isso, optamos por nos dedicar a três linhas editoriais: autoajuda, educação e gestão. A primeira, mais abrangente, abriga temas como espiritualidade, bem-estar, relacionamento, sexualidade, saúde, comportamento e finanças pessoais. A segunda aborda temas que atendem os interesses de pais, professores e pedagogos. Já a linha de gestão trata de questões de carreira, negócios, administração, gestão de recursos humanos e treinamento. O ser humano é a nossa fonte de inspiração. A parceria com nossos autores nos faz ir sempre em busca de nosso objetivo, compartilhar conhecimentos e estimular o desenvolvimento de pessoas. Para isso, contamos também com uma equipe que tem a função de transformar conhecimento em produtos atraentes e de qualidade que agreguem valor aos nossos clientes. Sempre atenta à evolução do mercado editorial e às tendências sociais e de comportamento no Brasil e no exterior, a Editora Gente está presente nos principais eventos do calendário literário nacional, e frequentemente busca novidades em feiras internacionais. Sabemos que não há limites para o conhecimento e nossos livros vêm ultrapassando fronteiras. Muitos deles já foram publicados em diversos países. É por tudo isso que cada vez que uma pessoa lê um dos nossos livros e consegue mudar algo em sua vida, estamos cumprindo nossa missão: ajudar o Brasil a se tornar um país de campeões.
Site | Facebook | Twitter | Instagram


Única é um selo de ficção que traz ao leitor brasileiro histórias originais, fortes e de personalidade. Cujos personagens são cativantes e aventureiros, mas com os pés no chão. A realidade contada pelos olhos da imaginação. Uma editora focada nas boas histórias, que se permite acreditar que os defeitos são soluções, que sonhar é o caminho da felicidade. Que a lágrima é uma maturação das juras de amor. Experimente-se Única. E se deixe guiar pelo mundo que só a literatura pode levar você. Única. Imagine-se dona de um final feliz.
 Site | Facebook | Twitter

E vocês, ficaram feliz com essa parceria? Eu estou com sorriso estampado e muito feliz! Se já conhece a editora e gosta, deixa nos comentários. (;

16 de mai de 2016

Resenha - A Coroa

Livro: A Coroa #5
Série: A Seleção
Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Páginas: 310
Gênero: Romance/Distopia
Sinopse: "Em A Herdeira, o universo de a Seleção entrou numa nova era. Vinte anos se passaram desde que America Singer e o príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira princesa a passar por sua própria seleção. Eadlyn não acreditava que encontraria um companheiro entre os trinta e cinco pretendentes do concurso, muito menos o amor verdadeiro. Mas às vezes o coração prega peças… e agora Eadlyn precisa fazer uma escolha muito mais difícil - e importante - do que esperava. America Singer e o Príncipe Maxon se apaixonaram, e a filha do casal é a primeira princesa a passar por sua própria seleção. Eadlyn não acreditava que encontraria um companheiro entre os trinta e cinco pretendentes do concurso, muito menos o amor verdadeiro. Mas às vezes o coração prega peças… e agora Eadlyn precisa fazer uma escolha muito mais difícil - e importante - do que esperava."

Uma das finalizações de série mais aguardadas por mim esse ano, A Coroa nos traz novamente Eadlyn tentando decidir através de uma seleção, qual menino será o melhor esposo e a quem amar. Após certos acontecimentos do seu antecessor, A Herdeira, teremos ainda presente a tensão de uma possível morte e vários outros problemas que entrarão na vida da nossa protagonista até ela ser Rainha.

Após ler A Herdeira, eu fiquei pensando que erro Kiera pode cometer nesse livro além de todos que ela já cometeu no primeiro? Eadlyn não caiu no meu gosto, muito egocêntrica, fria, dura que a autora teve que apresentar seus motivos para ser assim. Ao meu ver isso não justificou. Em A Coroa, ainda sendo iniciado com aquela tensão da história, ela conseguiu amenizar esse meu sentimento. Apesar de que em alguns momentos isso parecer demasiadamente forçado, Kiera conseguiu fazer a personagem crescer tanto no caráter quanto na personalidade. Terminei esse livro com o sentimento de que ainda não consigo encaixar a personalidade da Eadlyn com os pais tão amorosos Maxon e America, porém consegui entender esse lado não tão legal dela.

"Não, aquele processo inteiro não fazia sentido, mas eu conseguiu entender como tinha acontecido, como o coração podia ser arrebatado naquela aventura. E naquele momento era esta minha esperança: que de algum jeito dever e amor se tornassem uma coisa só e eu me descobrisse feliz no meio da Seleção." pág. 17

Teremos também essa transição da Coroa para a Eadlyn por motivos de forças maiores explicada. Achei super justo e acertada na escolha. E aqui também percebemos a mudança de fala de um livro para o outro quando se trata de separar sua vida pessoal da responsabilidade de governar e decidir sobre várias vidas em um país. Ela amadureceu drasticamente, porém foi preciso uma coisa grave acontecer para isso ser exposto.

E ai vem com toda certeza, as partes favoritas do livro: por quem ela irá se apaixonar e casar. Eu tinha um casal em mente e querendo ou não estava internamente torcendo MUITO para eles. E adivinhem quem acertou e ADOROU esse final? Exatamente, eu! O romance deixado dava a entender que 3 candidatos tinhas fortes chances e a conexão necessária para ficar com a Eadlyn: Kyle, Henri e Erik. Tinha alguns outros correndo por fora, porém estava já claro qual caminho seria seguido. Todavia, não achem que por ter já um certo preferido com alguns, que a surpresa não se fará presente. Foquem nos motivos e saídas de alguns jovens durante a seleção. Choquei e ao mesmo adorei esse toque à mais. Nossa autora fez escolhas certas.

"Eu tinha poder e nenhuma ideia de como usá-lo. Era uma governante que não sabia liderar. Uma gêmea sem meu irmão. Uma filha de pais ausentes. Tinha meia dúzia de pretendentes e não sabia direito como me apaixonar." pág. 40

Acho que poderia ter sido mais explorado o final pois ele se apresentou um pouco corrido, fora a abertura que ficou dos outros personagens e seus fins. A Coroa conseguiu me agradar. Lido em apenas algumas horas, para vocês verem meu desespero pela continuação, esse mundo de Illéa vai deixar saudades. Achei também que faltou mais que nos outros o pano de fundo que é a realidade do país e sua monarquia ( a distopia no caso). O foco ficou muito em o quanto o povo não gosta da Eadlyn do que em como ficou esse país após a quebra das castas e sua reestruturação e soluções para se resolver isso.

Além da Eadlyn, outros personagens que eram insuportáveis, conseguiram de alguma forma evoluir também e fazer com acabássemos gostando deles. Outros, não precisava nem aparecer novamente.

"Já não havia rebeldes em Illéa, não havia ameaças das quais fugir. Mas ainda havia dezenas de passagens secretas no palácio, e eu conhecia cada uma delas." pág. 223

A diagramação, a capa, o formato do texto e a escrita em primeira pessoa segue o padrão da série. E apesar de ter sido contra essa capa desproporcional, pessoalmente é menos feia que virtualmente mas isso também se deve ao fato dela ser roxo, minha cor favorita.

De longe não foi meu livro, nem duologia favorita de A Seleção. Ainda acho que a história da America e do Maxon mais impactante tanto no amor quanto no mundo que eles viviam. É triste se despedir de personagens que você se apegou tanto. Foi uma das séries de distopias que mais me chamou atenção e ADORO demais os 3 primeiros livros. Saudade já está apertando.

E vocês, já leram A Coroa? Pretendem ler a série quem não leu? Deixa nos comentários!

13 de mai de 2016

Resenha - Último Sacrifício

Livro: Último Sacrifício #06
Autora: Richelle Mead
Editora: Agir 
Páginas: 536
Gênero: Sobrenatural/Vampiros

Sinopse: "Rose Hathaway sempre jogou com suas próprias regras. Ela quebrou as regras quando fugiu da Academia St. Vladimir com sua melhor amiga e a última princesa Dragomir sobrevivente, Lissa. Ela quebrou as regras quando se apaixonou por seu maravilhoso e fora-dos-limites instrutor, Dimitri. E ela ousou desafiar a Rainha Tatiana, a líder do mundo Moroi, arriscando sua vida e reputação para proteger futuras gerações de guardiões dhampir. Agora a lei finalmente pegou Rose por um crime que ela sequer cometeu. Ela está presa pelo mais alto crime imaginável: o assassinato de um monarca. Ela precisará da ajuda de Dimitri e Adrian para encontrar a única pessoa viva que pode atrasar sua execução e forçar a elite Moroi a reconhecer uma chocante nova candidata ao trono real: Vasilisa Dragomir. Mas o relógio está correndo contra a vida de Rose. Ela sabe em seu coração que o mundo dos mortos a quer de volta… E desta vez ela realmente não tem uma segunda chance. A grande questão é: quando sua vida é dedicada a salvar os outros, quem vai te salvar?"

*alerta de possíveis spoilers de algumas partes dos outros 5 livros por esse ser o último da série. Aconselho à quem estar lendo a série à só ler quando estiver indo para o Último Sacrifício*

Após Rose ser acusada de matar Tatiana, ela aguarda seu julgamento. Porém nesse meio tempo Lissa, Dimitri, Abe, Christian, Eddie e Sydney tentam ajudar nossa dampira a não ser acusada de assassinato tentando encontrar o verdadeiro culpado. Durante essa busca, o mundo dos vampiros será abalado por uma nova eleição para assumir o antigo cargo de Tatiana onde Lissa irá participar e com Rose tentado achar razões para a participação da sua amiga ser válida.

Após terminá-lo, tirei um tempo para pensar e desembaralhar meus sentimentos por tudo que aconteceu. Alguns acontecimentos me deixaram bem feliz com seu final, outros ficaram muito aberto e não gostei, outros detestei totalmente. Basicamente o mistério daqui irá rondar em quem é o verdadeiro assassino da Rainha. Confesso que a pessoa culpada me pegou um pouco de surpresa. Ao andar das descobertas e pistas, as coisas começaram ficar claras e já perto de revelar tinha alguém em mente. E eu estava certa. Mas de certa forma não me senti frustrada nem destruiu meu choque ao saber os motivos e a tensão de descoberta.

Entretanto o que me chocou e MUITO foi descobrir quem era o irmão/irmã da nossa última Dragomir. Nessa viagem da Rose para descobrir e assim poder ajudar na candidatura da Lissa, em nenhum momento sonhei que fosse tal pessoa. Essa sim surpreendeu. Também teremos a voltar de personagens do primeiro livro e a aventura está bem mais presente.

" - Às vezes, as maiores provas que nossa força enfrenta são as situações que não parecem tão óbvias e perigosas. Às vezes, sobreviver é o mais difícil." pág. 14

Esses acontecimentos citados ao caminhar da história se desfizeram e finalizaram de uma forma bem satisfatória. O que não gostei nenhum pouco foi: Sonya não teve um final, Sydney a mesma coisa, do triângulo Dimitri X Rose X Adrian, a pessoa que sobrou teve um final HORRENDO e parece que a autora quis fazer isso as pressas. Na realidade AV tem uma série spin off que de alguma forma explica o final e o após Último Sacrifício dessas pessoas, mas acho que devia ter fechado o arco e não somente brechas pra uma nova série. Parece que a autora quis só fechar os finais de Lissa, Chistrian e Rose porém deixou até mesmo de citar alguns finais como por exemplo da Sydney, que após ajudar a Rose na aventura toda, ficou com um encrenca enorme com os alquimista e não teve final. Não teve nem despedida direito com a Rose.

Da série toda em si O Último Sacrifício não foi um dos melhores, mas também não foi dos piores. O desfecho foi excelente dentro daquilo que a autora podia trabalhar e acho que vai satisfazer aqueles que acompanham a série. Apesar de ter bastante páginas, gostei do ritmo acelerado onde você não consegue deixar a tensão de lado nem por um minuto. A cada instante você pode esperar uma reviravolta e mudanças de acontecimentos então ela te prende bem.

Minha meta para essa série foi super cumprida, li e reli alguns livros que precisavam em torno de 6 meses. Meu favorito é Promessa de Sangue (4° livro da série) e o que menos gostei foi Aura Negra (2° livro da série). Ao total dou nota 8 para ela e recomendo muito pra quem é apaixonada por vampiros e se encontra nessa fase infanto-juvenil.

E vocês, topariam ler a série Academia de Vampiros ?

9 de mai de 2016

Resenha - Entre a Culpa e o Desejo

Livro: Entre a Culpa e o Desejo
Autora: Sarah Maclean
Editora: Gutenberg
Páginas: 304
Gênero: Romance de Época

Sinopse: "Seu próximo experimento científico? Entregar-se a um canalha! Lady Philippa Marbury não é como as jovens de sua época. A brilhante filha do marquês de Needham e Dolby se preocupa mais com seus livros e experimentos do que com vestidos e bailes. Para ela, um laboratório é muito mais atraente que uma proposta de casamento, e é por isso que, ao ser prometida a um noivo com quem não tem nada em comum, Pippa tem apenas duas semanas para empreender seu último experimento: descobrir todos os prazeres e todas as delícias da vida antes de passar o resto de seus dias ao lado de alguém que ela mal conhece. Como boa cientista que é, Pippa investiga a vida do homem que parece ser a cobaia ideal para realizar suas experiências: Sr. Cross, o atraente sócio do cassino mais famoso e cobiçado de Londres, um libertino cuja má-fama foi cuidadosamente construída sobre o vício e a devassidão. Um canalha perfeito para explorar suas fantasias e satisfazer sua curiosidade sem manchar sua reputação de moça de família. Mas o que Pippa não sabe é que, por baixo das aparências, Cross esconde segredos obscuros e que, ao receber a proposta da garota, ele está diante de uma oferta que pode destruir tudo aquilo que durante anos ele se esforçou para proteger. Terrivelmente tentado a se envolver nessa aventura que promete o mais puro prazer sem qualquer outra emoção, tudo o que Cross deseja é dar a Pippa exatamente o que ela quer, mas ele sabe que ninguém sai ileso do caminho da satisfação e, assim, Cross terá de usar cada miligrama de sua força de vontade para não perder o controle e resistir à tentação de entregar à jovem muito mais do que ela ousa imaginar."

Como subestimei Sarah Maclean. Retiro tudo que eu disse da minha primeira impressão dela. Enquanto que Entre o Amor e a Vingança ficou marcado de forma negativa para mim, Entre a Culpa e o Desejo  está entrando para os meus queridinhos de romance de época.

Lady Phillipa Marbury, irmã da Penélope (protagonista do Entre O Amor e a Vingança) é uma menina fora do padrão moldado da sua época. Inteligente, investigadora e verdadeira cientista, não quer surpresas no seu pós casamento. Ela não sabe o que esperar ou que irá preceder na sua noite de núpcias com Castleton e por isso resolve pedir ajuda ao Cross, um dos sócios do Anjo Caído e canalha. Cross, ou visconde de Baine, tem um passado atormentante onde não se acha digno da felicidade, um completo canalha e se recusa terminantemente a ajudá-la. Porém como Pippa é insistente ela fará de tudo para conseguir o que quer. E claro que no meio do caminho os dois acabarão se apaixonando, dando essa bela história.

Eu praticamente devorei o livro. Em menos de dois dias eu finalizei ele. É incrível como você pode perceber que seu gosto influencia na sua leitura. Para quem leu minha resenha do primeiro da série (que se encontra aqui) viu que não consegui me conectar na história. Aqui foi o oposto. Sarah Maclean fez ao mesmo tempo uma história com humor nos momentos certos, dramas quando precisava e sentimentos conflitantes adequadas ao enredo. Vi uma história mais fluída, mais densa e que te faz encarar de modo diferente nossos personagens principais.

Pippa tem uma personalidade forte, destemida, que lhe faz destacar de qualquer mocinha ou mulher daquela época. E isso grita nessa história. Porque Cross com sua cabeça dura de não se achar merecedor da sua paixão quase perder ela. E quem reverte essa situação toda é nossa lady. Apesar da segurança de ter um casamento mesmo que não seja por amor, apesar de nós leitores sabermos que ele a ama e em certos em momentos demonstra tudo ao contrário, ela vai em frente à luta. Uma das cenas que mais me emociona e é linda, é quando Cross invade o quarto dela e explica o seu passado. Ali forma uma cumplicidade de casal, uma relação maior que você depois quer martelar a cabeça dele por tomar muitas decisões erradas.

" Ele tinha se enganado, antes; esse era seu limite. Ela não aprenderia nada com Sally. Nem com Temple. Nem com Castleton, droga - não importava que ele fosse seu noivo. Cross não queria ninguém tocando nela. Não se ele não podia tocá-la. " pág. 118

Uma das coisas que gostei muito é do quanto os quatros sócios se ajudam e se intrometem nesse desenrolar do amor. Nesse aqui Temple estará bem presente, assim como em certo momentos Chase também coloca sua mão para ajudar. E são nesse momentos também que podemos esperar risadas na certa. Um outro ponto positivo é que a autora trabalha em desconstrução dos personagens: alguns momentos que são trágicos, vão moldar o que a pessoa será no futuro, porém para viver e ser feliz essas tragédias tem que ser superadas. Ou seja, sempre teremos trechos passados, passagens de momentos atrás para podermos entender o que leva certo personagem à ter certa característica emocional. E com isso também vemos  evolução deles.

Até o momento Sarah conseguiu me convencer à prosseguir a leitura da série. Cross foi um dos sócios que mais me chamou atenção desde seu aparecimento no primeiro livro, e descobrir que o segundo, e por enquanto o melhor, trata da felicidade dele foi incrível. Ainda mais quando soube que ele formaria par com a Philippa. Adorei mesmo e consegui me conectar na história de maneira bem satisfatória.

Um adendo é que a Gutenberg está arrasando na diagramação e no capricho com os livros do gênero. Em cada capítulo, além de um início mais caprichado, com letras diferenciadas, aquele cuidado com a diagramação, colocou detalhes que são característico de cada personagem como por exemplo a Pippa ter que usar óculos. O óculos está presente na capa e cada pausa mais longa durante a história. Isso com certeza deu charme e me deixou de sorriso aberto a cada folha.

O terceiro livro, Entre a Ruína e a Paixão já está comprado e com certeza está nas minhas metas de leituras. Toda a desconfiança gerada no enredo da Penélope foi embora e consegui enxergar tudo aquilo que elogiam a Sarah como escritora de romance de época

" 'Eu devia saber. Cavalheiros não voltam atrás.' 'Neste caso, canalhas também não.' " pág. 129

Quem ficou com vontade de ler Sarah Maclean? Ou já leu? Deixa nos comentários!

6 de mai de 2016

Resenha - Laços do Espírito

Livro: Laços do Espírito #05
Série: Academia de Vampiros
Autora: Richelle Mead
Editora: Agir
Páginas: 426
Gênero: Sobrenatural/Vampiros
Sinopse: "Depois de uma longa e dolorosa viagem à Sibéria, terra natal de seu amado Dimitri, Rose Hathaway finalmente voltou à escola e reencontrou sua melhor amiga, Lissa. A formatura se aproxima, e elas mal podem esperar pela vida que vão ter além dos portões da São Vladimir. No entanto, o coração de Rose dói cada vez que se lembra do que passou na Rússia o fracasso em salvar Dimitri e do que ainda precisará enfrentar. Sua jornada inclui libertar o perigoso Victor Dashkov da prisão de segurança máxima e encontrar Robert Doru, o único que possui informações para resgatar Belikov das terríveis profundezas de sua condição de Strigoi. A vampira acredita existir apenas uma chance em um milhão, até porque Dimitri continua sua perseguição para matá-la. Sentenças de morte e declarações de amor se confundem, e ela precisa correr contra o mais implacável dos inimigos: o tempo. E, dessa vez, Rose prometeu a Lissa que a levaria junto. Será que a princesa Moroi terá forças quando souber o que a espera? Em “Laços do espírito”, Richelle Mead continua a saga que renovou a literatura de vampiros e apresenta uma história repleta de dilemas, intrigas políticas e emoções extremas que vai conquistar mais uma vez os leitores."

* alerta de spoilers do livro 1, 2, 3 e 4 da série por esse ser o 5° *

Rose está de volta ao São Vladimir. Ela quer terminar seus estudos e enfim se formar como guardião para assim perseguir atrás de seu sonho de ser a guardiã da última Dragomir, Lissa. Porém seu passado não abandona: Dimitri ainda Strigoi, avisou e faz ameaças falando que irá matá-la. Ao mesmo tempo Rose tenta achar uma possível ou impossível cura para ele ser novamente um dampiro.

Foi um dos livros com o início mais massante da série. A parte introdutória que consiste na reta final da Lissa e da nossa dampira na escola, a prova final, cerimônia de formatura e tudo mais foi um pouco chata. Acredito que de todos os 5, Laços do Espírito é o que mais deixou à desejar.

" —Concordo com você. Mas isso não quer dizer que eu eu não vá levar o "conselho" dele a sério. Meu rosto é bonito demais para correr riscos." pág. 31

Decisões são tomadas que irão afetar a história toda. Pessoas dos primeiros livros, Victor,  irá voltar e será peça chave no desfecho de parte do livro. Depois do que vai acontecer com o Dimitri, mais uma vez teremos um triângulo amoroso. Confesso que por um momento, fiquei mais team Adrian por quanto nosso ex-dampiro voltou a ser chato novamente. 

Volto a falar novamente que apesar da história ser bem importante para o desfecho final da série, foi umas das mais alongadas e chata. Richelle jogou bastante informação e foi desmembrando ela e eu não gostei tanto assim. Lá pelas 150 páginas finais é que sim vi uma movimentação maior e que faz jus da Academia de Vampiros. Por uma reviravolta, morte de uma pessoa importantíssima, pessoas acusadas, o final será a introdução do Último Sacrifício, sexto e fim da série.

Adorei a Lissa estar mais confiante e mais presente no sentido de comandar e ter personalidade  própria. Agora consigo ver um crescimento e amadurecimento delas que veio através dos livros e que até o final será muito maior. A participação dela aqui é ENORME. Tem até um momento que a Rose sente inveja dela porque Dimitri passa à dar mais importância a nossa princesa. O ponto fundamental é que nossa autora deixou mais claro isso e ficou mais fácil de perceber a evolução dela.

" —Quero você, Rose - ele apertou minha mão com mais força —Sempre quis. Quero ficar com você. Queria ser como os outros caras e também dizer que quero cuidar de você, mas... bem... quanto a isso, você deve cuidar de mim." pág. 286

Já Rose se mostrou bem mais instável. Impulsiva, como sempre foi, seu lado de querer ajudar as pessoas e de sempre querer estar à frente de tudo, está mais amplo. E isso vai levar ela em várias furadas e caminhos que não precisava tomar. Christian volta em cena tendo um possível reatamento com a nossa Dragomir, Abe  terá uma participação maior no final, a rainha também se fará mais presentes por decisões que devem ser tomadas e haverá entrada de novos personagens.

Não foi uma história ruim, todavia está bem longe de ser uma das melhores. A única coisa que difere do Aura Negra (2° livro) que também foi chato ao meu ver, é que esse se torna necessário porque trouxe o começo daquilo que a autora quer pro desfecho final. Por isso estou ansiosa para o último livro!

E vocês, já leram a série Academia de Vampiros?

2 de mai de 2016

[Resenha] Duff

Livro: Duff
Autora: Kody Keplinger
Editora: Globo Alt
Páginas: 323
Gênero: Romance/ Jovem Adulto
Nota: 5/5
Bianca Piper não é a garota mais bonita da escola, mas tem um grupo leal de amigas, é inteligente e não se importa com o que os outros pensam dela (ou ela acha). Ela também é muito esperta para cair na conversa mole de Wesley Rush - o cara bonito, rico e popular da escola - que a apelida de DUFF, sigla em inglês para Designated Ugly Fat Friend, a menos atraente do seu grupo de amigas. Porém a vida de Bianca fora da escola não vai bem e, desesperada por uma distração, ela acaba beijando Wesley. Pior de tudo: ela gosta. Como válvula de escape, Bianca se envolve em uma relação de inimizade colorida com ele. Enquanto o mundo ao seu redor começa a desmoronar, Bianca descobre, aterrorizada, que está se apaixonando pelo garoto que ela odiava mais do que tudo.

Duff conta a história da Bianca Piper, uma garota que tem duas amigas lindas em sua visão. Esperta e segura daquilo que acha, vê sua segurança e seu mundo desmoronar quando lhe acontece várias situações no núcleo familiar e na sua vida. Para piorar Wesley Rush, o cara popular da escola, lhe apelida de a "Duff" —  o que numa tradução livre seria a menina menos atraente de um grupo — dentre suas amigas. Na certa isso gera confusão.

Eu me surpreendi muito. Já tinha ideia do que viria por ter visto o filme e me lembrar dele, mas não esperava que a diferença fosse enorme. O filme se utilizou unicamente dos termos. O que vem ser tratado no livro é bem mais amplo. Aqui iremos ler sobre bullying, problemas familiares, alcoolismo, amizades e amor. Bianca ao tentar fugir das suas complicações, se vê presa fisicamente com o Wesley. E os dois juntos tentam superar as dificuldades pessoais. Com humor, sagacidade, o cotidiano da vida dos jovens, Kody fez o livro certo para agradar essa faixa etária.

"Depois de pensar nisso por um tempo decidi que havia muitas vantagens em ser uma Duff. Benefício 1: não é preciso se preocupar com cabelo ou maquiagem. Benefício 2: não há pressão para ser descolada - não é para você que estão olhando. Benefício 3: sem problemas com garotos." pág. 74

Falar da personalidade da nossa protagonista é ver o quanto ela foi bem construída. Em nenhum momento Pipper muda suas convicções, apesar de sua insegurança típica da idade aparecer em alguns momentos. E Rush, mesmo sendo o típico canalha e pegador de todas, tem seus méritos no seu caráter. Uma das partes mais legais foi quando a interação dos dois deixou por um momento de ser carnal para ser de cumplicidade. Aqui ambos os sentimentos evoluíram e foram forçados a terem coragem para enfrentar seus problemas. Aliás a autora trata a relação sexual de uma forma honesta e limpa.

Também é tratado aquela certa dúvida e indecisão que sempre está presente na garotada. Vemos em uma pequena parte um triângulo amoroso, entretanto que retrata aquilo que falei em cima, a dúvida e indecisão da nossa personagem.

"Wesley Rush não tenta conquistar garotas, mas eu estou tentando conquistar você."  pág. 281

É um típico tema de adolescente? Sim! Porém ele tem muita coisa a nos acrescentar. São temas bem atuais os abordados e vale a pena a leitura. Tem um tempinho que não lia um livro que na superfície parece tratar de um assunto ameno e bobo, contudo que tenha bastante conteúdo para pensar. Recomendo! Sua diagramação é bem encaixada, parece que é grande só que em uma sentada você lê, divertido, com o humor sarcástico típico da faixa etária, tem tudo para ser um grande sucesso. O ponto de vista  da narrativa é da Pipper em primeira pessoa.

"Chamar Vikki de vadia ou vagabundo era o mesmo que chamar alguém de Duff. Era uma coisa ofensiva de dizer e magoava profundamente. Era um desses rótulos que se alimentavam dos medos secretos que todas as meninas têm de tempos em tempos. Vadia, puta, puritana, cabeça de vento. Era tudo a mesma coisa. Toda garota já foi definida por esses adjetivos sexista em alguma etapa da vida." pág. 296

 E ai vai dar uma chance para Duff? Deixa nos comentários!