29 de jul de 2016

Resenha - Jovens de Elite

Livro: Jovens de Elite #1
Série: Jovens de Elite
Autora: Marie Lu
Editora: Rocco
Páginas: 302
Gênero: Fantasia
Sinopse: "Bestseller do The New York Times com excelente repercussão entre público e crítica, Jovens de Elite é o primeiro de uma série de fantasia ambientada na era medieval e protagonizada por jovens que desenvolvem estranhas cicatrizes e poderes especiais ao sobreviverem a uma febre que dizimou boa parte da humanidade. Entre eles está Adelina, que, após se rebelar contra o destino imposto a ela por seu pai, encontra um novo lar na sociedade secreta Jovens de Elite, vista por alguns como um grupo de heróis, por outros como seres com poderes demoníacos. Heroína ou vilã? Num mundo perigoso no qual magia e política se chocam, Adelina descobre o lado sombrio de seu coração. Da mesma autora da aclamada trilogia Legend, Marie Lu, Jovens de Elite é o início de uma saga arrebatadora. Perfeita para fãs de histórias de fantasia medieval como Game of Thrones, com vilões dignos de Star Wars e X-Men."

Adelina Amouteru é uma menina de 16 anos que é considerada um malfetto. Há uma década atrás, surgiu uma febre mortal em toda nação, onde adultos e crianças foram contaminados. Os adultos, sem exceções, morriam e as crianças que sobreviviam carregavam estranhas marcam pelo corpo. Contudo, algumas dessas crianças sobreviventes tem dentro de si dons misteriosos que os tornam diferentes. Um grupo deles se reuniu e estão a procura de mais malfettos que possuem os dons. Esse grupo se chama Jovens de Elite.

25 de jul de 2016

Resenha - Champion

Livro: Champion #3
Série: Legend
Autora: Marie Lu
Editora: Rocco
Páginas: 302
Gênero: Distopia
Sinopse: "No emocionante desfecho da trilogia Legend, June ocupa uma posição privilegiada no governo e Day trocou a alcunha de criminoso mais procurado do país pela de herói nacional. Mas quando tudo parece conspirar a favor da paz, a ameaça da guerra ressurge na forma de um vírus mortal que começa a espalhar o pânico entre as colônias. Em Champion, a vida de milhares de pessoas está novamente nas mãos de June, a menina-prodígio da República. Mas salvá-las significa também enfrentar novos desafios e exigir novos sacrifícios de seu amor."

Depois de um início de trilogia fraco, um segundo livro melhor elaborado e construído que o anterior, o terceiro me conquistou de vez. Day e June de volta a República, ele coroado agora como herói, terão que enfrentar novamente as Colônias que querem vingança. Paralelamente vemos também os dois enfrentando seus sentimentos e colocando em jogo pessoas importantes da vida. Está nas mãos de Day salvar um população ou ficar com o que restou da sua família.

22 de jul de 2016

Resenha - Em Busca de Cinderela

Livro: Em Busca de Cinderela #2.5
Série: Hopeless
Autora: Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Páginas: 160
Gênero: New Adult/Romance
Sinopse: "Neste conto da bem-sucedida e adorada série Hopeless, o leitor conhecerá melhor dois personagens secundários de "Um caso perdido". Daniel está no breu do armário de vassouras da escola – o perfeito esconderijo para quem quer fugir do mundo real –, quando uma garota literalmente cai em cima dele. Às cegas, os dois vivem um curto romance, mesmo sem acreditar muito no amor. No fim a garota foge, como se realmente fosse a Cinderela e tivesse uma carruagem prestes a virar abóbora. Um ano depois, Daniel e sua princesa se reencontram, e percebem que é possível nutrir um amor de conto de fadas por alguém completamente real. Juntos, os dois irão perceber que fora do faz de conta, ficar juntos é bem mais difícil e os problemas de um casal são muito reais."

É incrível que mesmo em um livro curtinho, em um conto pequeno vemos a essência da autora quando esta consegue se diferenciar dos demais. Mesmo não esperando algo a mais, Colleen vem e nos leva para mais uma história linda. 400, 300, 200 páginas, sejam quantas folhas for a história sempre irá te tocar.

21 de jul de 2016

Sorteio - KIT de Marcadores no Instagram

Está afim de ganhar um super kit de marcadores? Veja como participar lá no ig do blog!


Pra participar basta:

- Seguir o  ig @diariasleituras;

- Curtir essa foto lá no aplicativo;
- Marcar 2 amigos na foto no Instagram;
- Ter endereço em território nacional;

ATENÇÃO QUE O NÃO CUMPRIMENTO DAS REGRAS ACIMA PODERÁ ACARRETAR NA DESCLASSIFICAÇÃO!

O sorteio vai até o dia 05/08 sendo realizado as 19hrs do mesmo dia pelo Sorteou. Boa Sorte!

Viu como é fácil? Fiquem ligados que por aqui também vai rolar sorteio!

20 de jul de 2016

Resenha - Percy Jackson e os Olimpianos, O Ladrão de Raios

Livro: Percy Jackson e os Olimpianos, O Ladrão de Raios #1
Série: Percy Jackson
Autor: Rick Riordan
Editora: Intrínseca
Páginas: 387
Gênero: Fantasia
Sinopse: "Em O Ladrão de Raios, Percy Jackson, o menino que aos doze anos descobre que é um semideus, filho de Poseidon, precisa impedir uma guerra entre os deuses que destruiria a civilização ocidental; em O Mar de Monstros, ele e os amigos se envolvem em uma perigosa aventura para defender o acampamento dos semideuses; em A maldição do titã, Percy descobre que o Senhor dos Titãs despertou e está disposto a destruir a humanidade; em A batalha do Labirinto, o semideus vai combater o perigoso titã no temido Labirinto de Dédalo; e em O Último Olimpiano, Percy tem que lidar não só com o exército de Cronos, mas também com a chegada de seu décimo sexto aniversário - e, assim, com a profecia que determinará seu destino."

Perseu Jackson, um garoto de 12 anos que ano após ano é expulso de escolas por eventos que acontecem ao seu redor e que não sabe explicar, após mais um desses fatos acaba se colocando em apuros e descobrindo a verdade: é um semideus. Filho de Poseidon, um dos 3 maiores deuses do Olimpo, acaba entrando em uma missão onde ele está sendo acusado de ter roubado um raio de Zeus. Porém sabendo da sua inocência, irá atrás do culpado para tentar inocentar tanto sua pela quanto a do pai - que também está sendo acusado de querer tomar o trono de Zeus - e evitar uma guerra de proporções enormes que poderia acabar com a civilização.

18 de jul de 2016

Resenha - O Ar que Ele Respira

Livro: O Ar Que Ele Respira #1
Série: The Elements
Autora: Brittainy C. Cherry
Editora: Record
Páginas: 308
Gênero: Romance
Sinopse: "Como superar a dor de uma perda irreparável? Elizabeth está tentando seguir em frente. Depois da morte do marido e de ter passado um ano na casa da mãe, ela decide voltar a seu antigo lar e enfrentar as lembranças de seu casamento feliz com Steven. Porém, ao retornar à pequena Meadows Creek, ela se depara com um novo vizinho, Tristan Cole. Grosseiro, solitário, o olhar sempre agressivo e triste, ele parece fugir do passado. Mas Elizabeth logo descobre que, por trás do ser intratável, há um homem devastado pela morte das pessoas que mais amava. Elizabeth tenta se aproximar dele, mas Tristan tenta de todas as formas impedir que ela entre em sua vida. Em seu coração despedaçado parece não haver espaço para um novo começo. Ou talvez sim."

Sentimentos. Amor, ódio, alegria, tristeza. Todos os sentimentos vão definir e fazer O Ar Que Ele Respira ser um ótimo livro. Porque aqui você não vai só ler sobre sentimentos, você vai sentir.

Duas vidas que de alguma forma estão interligadas. Elizabeth que perdeu o marido e não sabe como seguir em frente, mas precisa por causa da sua família que restou e Tristan que perdeu filho e esposa, está desvatado. Não tem mais vontade de viver, existe por existir. Duas pessoas que perderam familiares essenciais e não sabem sobreviver. Vão aprender que talvez juntos, consigam respirar.

"Foi no hall de entrada que ficamos juntos pela última vez. Seu braço envolvia minha cintura, e nós achávamos que nos lembraríamos daquele instante para sempre. Mas o para sempre foi bem mais curto do que todos imaginavam." pág. 16

É uma história linda do início ao fim. Brittainy teve mais uma vez enorme sensibilidade que nos faz transportar de alma em todos os acontecimentos. Suas palavras me fizeram sentir aquilo que o personagem está sentindo, enxergar a dor e o que ela pode fazer no ser humano, que sempre temos chances de recomeçar. Até mesmo onde vai uma pessoa doentia, uma pessoa que pode arruinar sua vida de pouco em pouco.

Elizabeth é uma personagem forte e ao mesmo tempo vulnerável. Forte porque tem personalidade, tem coragem e vai atrás daquilo que quer. No livro ela passa constantemente indo atrás do Tristan até ele perceber que sim, ele pode viver. E isso está escrito em forma de beleza que você nunca quer acabar. Tristan é um cara de aparência rude, que transparece não ligar pra nada, mas que quando se conhece se torna outra pessoa. Vemos ele sendo moldado e aprendendo a ser novamente aquele cara que era, mas que a vida judiou.

" — A pior parte de perder uma pessoa amada é que você também se perde. " pág. 55

Sem falar nos personagens secundários que são umas figuras, principalmente a Feya e a Emma que dão um toque de humor sem igual. A cada fala delas é um riso certo. E com certeza isso foi acertado porque tudo é carregado no drama - uma marca registrada da autora - na intensidade de sentir. Você começa segurando o fôlego e até a última página não vai respirar.

Quando pensamos que o drama chegou no insuportável, que a autora não vai intensificar a situação, reviravoltas acontecem. Ao final achei elas de extrema importância porque falam que temos que nos curar de qualquer males. Somos pessoas que necessitamos de outras e as vezes essas estão encarregadas de nos ajudar, porém temos que nos encontrar primeiro para depois nos doarmos a outros. E que aparências enganam, amizades enganam, a vida engana. O ser humano pensando no próprio umbigo é capaz de fazer coisas inimagináveis. São coisas sutis que ao passar das páginas vemos crescer cada vez mais.

" Nós dois juntos era uma ideia terrível. Éramos instáveis, estávamos destruídos, não havia como negar. Ele era o trovão, e eu, a nuvem escura. Estávamos a segundos de criar a tempestade perfeita. " pág. 117

Falando da escrita, ela melhorou absurdamente de Sr. Daniel para cá. Achei um livro melhor estruturado, melhor dialogado e foi bom ver essa evolução. A capa é esplêndida. Foi o primeiro impacto que tive e que foi o causador da leitura. Sei que ela com certeza é voltada pro público feminino, todavia não é só o fato do modelo ser bonito, e sim a harmonia do fundo, o título, até mesmo os detalhes das penas que depois você entende que tem sentido com a história. A diagramação e a fonte são as mais comuns usadas pela editora. Temos dois pontos vista, o da Elizabeth e o do Tristan, alternados ou não e também algumas passagens de tempo.

Achei que iria demorar mais pra ler, por ser um pouco grande no número de páginas, só que você é tão envolvido que não vê ele passando. Eu recomendo muito pra quem é fã do gênero, pra quem gosta da Colleen Hoover e quem quer algo pra chorar. Como falei no início da resenha é um livro que te preenche de sentimentos.

" — Você não precisa estar bem o tempo todo. É normal sentir a dor de vez em quando. É normal se sentir perdida, como se estivesse andando no escuro. São os dias ruins que tornam os bons ainda melhores. " pág. 172

Para felicidade ou infelicidade de alguns é que esse é o primeiro de uma série intitulada Os Elementos. Vai ser 4 volumes, cada um relacionado a um elemento - Água, Ar, Fogo e Terra. Já foi lançado lá fora o segundo (The Fire Between High & Lo) e o terceiro está a caminho, porém os dois não tem nenhuma previsão para o Brasil. Eu só sei que já preciso e que com certeza irei comprar os outros.

E vocês, tem algum fã da Brittainy presente aqui? Ou alguém que ficou com vontade de ler? Deixa nos comentários (;

14 de jul de 2016

Resenha - A Lâmina da Assassina

Livro: A Lâmina da Assassina #1,5
Série: Trono de Vidro
Autora: Sarah J Maas
Editora: Galera Record
Páginas: 406
Gênero: Fantasia
Sinopse: "Conheça o caminho da assassina. Pavimentado com sangue, lágrimas e suor. Implacável, sedutora, letal. Poucos conhecem seu rosto, menos ainda sobrevivem à sua fúria. Não à toa Celaena Sardothian é sinônimo de morte. Suas lâminas são certeiras, assim como seu estranho código de honra e seu aguçado senso de justiça. Mas como uma menina, encontrada agonizando pelo rei dos Assassinos de Adarlan, se tornaria a campeã do rei? Disputada pelo capitão da guarda real e o próprio príncipe herdeiro? No centro de intrigas políticas? Acompanhe Celaena vencer um lorde pirata e toda sua tripulação; o encontro como uma curandeira; seu treinamento com o Mestre Mudo, senhor dos assassinos silenciosos, nas dunas do deserto Vermelho; a prisão nas Minas de Sal de Endovier; ou, ainda, sua luta contra o mais escorregadio e traiçoeiro dos adversários — o próprio coração." 

Quando eu comprei Trono de Vidro e fui falar com algumas pessoas que iria iniciar esse mundo, me falaram que se quisesse mais emoção na história para ler primeiro o spin off e só depois iniciar a série. Estou sem fôlego até agora.

A Lâmina da Assassina nos traz 4 contos de um momento contínuo, ou seja, um conto que sucede a partir do ponto final do outro. Podemos dizer que é uma história completa. Aqui Celaena, a maior assassina de Ardalan e sucessor de Arobynn - o rei da Guilda dos Assassinos - irá percorrer caminhos e percalços que fará ela chegar onde inicia Trono de Vidro. São reviravoltas e surpresas até o fim.

"A beleza era uma arma - que Celaena mantinha afiada -, mas também podia ser uma vulnerabilidade." pág. 14

Cheguei a pensar por um momento que ficaria muito perdida na história porque a ordem de lançamento, a ordem de escrita foi feita para que Trono de Vidro seja lido antes desse. Porém para minha surpresa transcorri a história de forma muito satisfatória e sentido falta de nada. Conseguimos entender o mundo criado pela autora sem nenhuma dúvida ou confusão. Somos apresentado a Celaena e a sua trajetória de maneira majestosa, digna de uma série tão bem falada.

O 1° conto nos traz a assassina colocando em jogo o seu caráter. Após ser mandada em uma missão em que descobre que seu chefe quer comprar escravos, nossa assassina fará de tudo para que isso não aconteça já que apoiar e compactuar com escravidão está fora dos seus princípios. Vemos uma pessoa em pleno auge de sua fama e do impacto que ela pode ter. Uma menina forte - ela tem 17 anos - e que não abala seu caráter. Um dos meus contos preferidos porque aqui ainda não vemos a insegurança dela tomar conta de tudo.

"... a vida não é fácil, não importa onde esteja. Fará escolhas que achará serem certas, depois sofrerá por causa delas." pág.100

A partir disso, cada conto será consequência do seu antecessor e não quero falar muito para deixar a surpresa a encargo de vocês. O que vemos e é deixado em destaque é a Celaena cada vez mais insegura e perdida em quem confiar e tentando não se deixar levar pelo coração. Vemos como e porque ela foi parar na prisão das Minas de Sal. É ao mesmo tempo de quebrar o coração, porque os motivos que a levou nesse caminho é um em que qualquer pessoa estaria suscestível a cometer e porque ela poderia ter aprendido com erros anteriores mas seu coração fala mais alto. O último conto vai destruir tudo que você imaginou. Nossa protagonista vai mais fundo que um poço. 

Me deu um super gás para iniciar a série, apesar de alguns burburinhos serem bem altos, e me fez imaginar certas possibilidades para o futuro dela e de como pode encaminhar a série. Sarah J Maas deixa de cara o que veio fazer e é qual seu estilo de escrita: quando pensamos que nada pior pode acontecer, acontece. Quando pensamos que a a autora não irá tomar certa atitude, ela toma. Para mim serviu como um aperitivo com tudo que estar por vir.

"Cinzas. Cinzas de um mundo queimado até sumir - caído em ruínas ai redor dela. Conseguia sentir o gosto das cinzas daquele mundo morto sobre lábios ressecados, detendo-se na língua pesada." pág.313

Por tudo que já falavam, por ele ser um livro bem comentado, quando adicionei o livro na TBR da Maratona Literária de Inverno, eu tinha pressentimento que iria gostar. Mas foi mais que gostar, foi um envolvimento tão grande que eu não esperava. Poucas séries no meu histórico de leitura já fizeram isso. E isso foi chocante. Pretendo ainda esse ano ler o 1°,2° e 3° já que ela está bem adiantada e irei analisar o quanto a escrita pode ter se perdido ou evoluído. Torço muito para o segundo caso.

Mais alguém ai é fã da Sarah J. Maas? Ou ainda quer entrar nesse mundo dos Assassinos? Deix nos comentários (;

12 de jul de 2016

Resenha - Os Instrumentos Mortais, Cidade das Almas Perdidas


Livro: Os Instrumentos Mortais, Cidade das Almas Perdidas #5
Série: Instrumentos Mortais 
Autora: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
Páginas: 434
Gênero: Fantasia
Sinopse: "Quando Jace e Clary voltam a se encontrar, Clary fica horrorizada ao descobrir que a magia do demônio Lilith ligou Jace ao perverso Sebastian, e que Jace tornou-se um servo do mal. A Clave decide destruir Sebastian, mas não há nenhuma maneira de matar um sem destruir o outro. Mas Clary e seus amigos irão tentar mesmo assim. Ela está disposta a fazer qualquer coisa para salvar Jace, mas ela pode ainda confiar nele? Ou ele está realmente perdido?"

Cidade das Almas Perdidas foi um livro mais fluido de ler do que seu antecessor. Partindo do exato ponto onde acabou Cidade dos Anjos Caídos, aqui veremos a busca da Clary pelo o que aconteceu com o Jace e o corpo do Sebastian. O que ela não esperava, é que os dois de alguma forma agora estão unidos. E matando ou ferindo um, automaticamente irá acontecer com o outro.

"— Muito bem Caçadores de Sombras. E um aviso, apesar de nada terem feito para merecê-lo. Seria bom considerarem a validade desta busca por seu amigo. Pois frequentemente, quando algo precioso se perde, ao voltarmos a encontrá-lo, pode não ser mais o mesmo." pág. 40

Não entrei nesse livro com muitas esperanças de ser ter uma boa leitura e de como a autora me faria gostar daquilo que tinha sido criado. Confesso que me surpreendi. Com a história um pouco mais encaminhada, Cassandra teve possibilidades de criar e estender esse arco de uma maneira muito fascinante. Você se prende do início ao fim para saber o que vai acontecer.

Mais uma vez a autora manteve a questão dos pontos de vistas alternados, personagens "secundários" aparecendo mais e os casais se encaminhando para um final satisfatório. Aliás adorei o final que está aparentando acontecer tanto para Maia quanto para o Simon. A entrada de novos elementos mágicos e de mais fantasia deram um pano de fundo e mais credibilidade para tudo que ela quer dar ao término da série. Para mim ainda não supera o arco de Cidade dos Ossos até Cidade de Vidro porque fazia sentido os títulos, fazia sentido o ritmo acelerado de alguns momentos. A partir do 4° os títulos perderam um pouco do seu significado, neste mais ainda, e ainda fico meio chateada com a necessidade de personagens antigos voltando para ser vilões. Poderia ter tido uma criatividade à mais nesse segundo arco.

"— Faria quase qualquer coisa por você - Morreria por você. Sabe disso. Mas mataria alguém, algum inocente? E que tal muitas vidas inocentes? E o mundo todo? É realmente amor se chega ao ponto de precisar escolher entre a pessoa amada e todas as outras vidas do planete, e escolher a pessoa? Isso é... não sei, isso sequer é um tipo de amor moral ?" pág. 122

Raramente livros são 100% perfeitos ou tudo me agrada. Tive também problemas com o meu queridinho da série, que é o terceiro, porque gosto de ver e analisar onde errou e onde a escrita foi exagerada demais. Então sempre vou falar algo negativo (mais uma vez na minha opinião) do livro até onde eu não desrespeite a autora. Sou fã da série, sou fã da escrita da Cassandra e quero ver evolução. E isso ocorre gradativamente. 

Jace e Clary aqui cresceram muito desde o último drama que se instalou neles, porém como sempre, vai ter reviravolta nos finais. As duas últimas páginas, junto com uma carta final são cruciais para ser o plot e o gancho do próximo e último da saga. A capa é uma das mais bonitas de Instrumentos Mortais. Não posso mais entrar em detalhes porque tudo pode virar spoiler e apesar dele ser grande é uma aventura que acontece linearmente. Claro que temos acontecimentos separados, mas que se unem tudo por um motivo final, então quem leu Anjos Caídos vai com certeza adorar esse.

"Era tolice ter esperança, ela sabia. Mas ás vezes a esperança era tudo que restava." pág. 234

Já tenho em mãos o último e espero ainda dentro da Maratona lê-lo. Estou animada com o final deixado e curiosa para esse final. E vocês, já leram Instrumentos Mortais? Quais foram suas impressões? Deixa nos comentários.

Observação: Para a Maratona Literária de Inverno que estou participando e mostro minha TBR aqui, estava previsto a leitura desde volume no final do mês. Adiantei? Sim! Tem um motivo? Também sim! Posso dizer que infelizmente flopei com Halo da Alexandra Adornetto que era para ser o próximo na lista. Tentei ler e não saía das primeiras 200 páginas por isso resolvi modificar um pouco e antecipar outro. Se eu pretendo continuar a leitura de Halo? Possivelmente. Tenho chances de abandonar? Possivelmente também. Vou esperar dar uma aliviada nessa transição de semanas e TENTAR pegar ele novamente, porque acredito que essa semana seja mais constante no quesito leitura, todavia nenhuma certeza. Era uma leitura que há 2/3 anos atrás me agradaria demais, mas agora está se tornando massante e não sei se faz mais meu tipo.

7 de jul de 2016

Resenha - Os Instrumentos Mortais, Cidade dos Anjos Caídos

Livro: Os Instrumentos Mortais, Cidade dos Anjos Caídos #4
Série: Instrumentos Mortais
Autora: Cassandra Clare
Editora: Galera Record
Páginas: 362
Gênero: Fantasia
Sinopse: "A guerra acabou e Caçadores de Sombras e integrantes do submundo parecem estar em paz. Clary está de volta a Nova York, treinando para usar seus poderes. Tudo parece bem, mas alguém está assassinando Caçadores e reacendendo as tensões entre os dois grupos, o que pode gerar uma segunda guerra sangrenta. Quando Jace começa a se afastar sem nenhuma explicação, Clary começa a desvendar um mistério que se tornará seu pior pesadelo."

Um livro com misto de sentimentos. Tinha tudo para ser um dos quais mais se destacariam pra mim na série. Como disse, tinha. Em apenas 2 páginas, e as duas páginas finais, Cassandra conseguiu destruir todo o sentimento que tinha pelo livro.

4° livro da saga dos Instrumentos Mortais e começando um novo ciclo, Cidade dos Anjos Caídos vai se iniciar 2 meses após o final de Cidade de Vidro e vai falar como anda a vida dos nossos velhos amigos. Clary, agora aprendendo a ser uma caçadora de sombras, tem sua vida feliz com Jace. Porém isso pode estar com dias contados pois após o que aconteceu ao Jace, ele está vunerável a certas situações. O amor dos dois será colocado em jogo.

"- O sangue do Paraíso os une - disse a Rainha. - Sangue chama sangue, por sob a pele. Mas amor e sangue não são a mesma coisa." pág. 78

Apesar de ter ouvido muitos comentários negativos, falando que esse livro era o mais chato da série eu resolvi tentar ele para #MLI2016. Confesso que nos outros anos fui influenciada por essa opinião e acabava deixando de lado, já que no o seu antecessor fechava um arco e para mim é o melhor livro de ITM. O que foi uma bela surpresa é que ao começar a ler adorei a escrita e a forma como as coisas estavam acontecendo. Simon com um pouco mais de destaque, Isabelle também, alguns personagens secundários também aparecendo mais e claro a história do nosso casal principal também acontecendo. Uma coisa que diferencia esse de todos os outros é que nenhuma história foi deixada de lado, tudo aconteceu ao mesmo tempo e tudo é interligado. Muita pessoas reclamaram do drama que envolveu Jace e Clary, porém como fã também de romance achei positivo e gostei. Mais para o final vimos que esse drama foi necessário com tudo que estava por vir. 

Até ai tudo bem, tudo funcionando e fluindo. A autora pegando cenas e acontecimentos no passado e encaixando, porém dando uma novo sentido e função. E foi ai que também a autora pecou: o excesso de acontecimentos passado. Nas duas últimas páginas, algo que já virou marca dela, surge reviravoltas e  situações que não esperávamos. E achei desnecessário. Não concordo com o final, não concordo com os acontecimentos finais e não concordo em trazer para trama personagens que ao meu ver não acrescentariam em nada. Acabei o livro tem alguns minutos e sim o sentimento é de raiva. Não sei o que esperar dos livros posteriores. Achava que a autora poderia ter inovado? Sim! 

"—Passei uma década usando — explicou — Parte de mim está nele. Significa que confio a você o meu passado e todos os segredos que ele carrega." pág. 350

Porém isso não tira o mérito de ter passado o livro inteiro adorando a nova forma que nos é apresentado a história. Novos pontos de vistas, essa inclusão maior dos secundários, deles tendo papéis fundamentais e mesmo querendo estrangular a titia Cassandra, eu fui conquistada ao ponto de querer continuar conhecendo esse mundo. Eu tinha esquecido o quanto esse universo de Shadowhunter é único e o quanto fantasia sempre me fascinou. Foi bom mais uma vez sorrir, querer matar alguém, chorar, rir com coisas fantásticas. E a escritora me trouxe isso de volta.

O que se resume nesse é uma introdução para um "novo" arco dentro de Instrumentos Mortais. É uma nova história, com nossos personagens já conhecidos. Quem leu o terceiro não necessariamente precisa ler esse porque uma parte da história se fecha nele, todavia quem quer começar fica muito difícil engrenar e até mesmo entender algo porque vai ter referências dos seus antecessores.

"— Então está tentando deixá-la feliz mesmo sabendo que o motivo pelo qual ela está infeliz é você — disse Simon, sem muita gentiliza. —Parece contraditório, não? —O amor é uma contradição." pág. 144

Essa foi uma das minhas leituras obrigatórias da #MLI2016 que já falei aqui, então primeiro livro: cumprido!  Semana dos encalhados está se saindo melhor do que eu imaginava, porém ainda tenho mais um.

E vocês, são fãs de Instrumentos Mortais, já leram algum livro da Cassandra Clare ou tem vontade de ler? Deixa nos comentários (;