6 de nov de 2017

[Resenha] Crooked Kingdom, Vingança e Redenção

em 6 de nov de 2017

18 comentários
Livro: Crooked Kingdom, Vingança e Redenção #2
Série: Six Of Crows
Autora: Leigh Bardugo
Editora: Gutenberg
Páginas: 448
Gênero: Fantasia
Nota: ⭐⭐⭐⭐⭐💗
Após se safarem milagrosamente de um ousado e perigoso assalto na notória Corte do Gelo, Kaz Brekker e sua equipe se sentem invencíveis. Mas o destino está prestes a dar uma perigosa guinada e, em vez de dividir uma vultosa recompensa, os seis comparsas terão que se munir de forças, de armas e de seus talentos para lutar pelas próprias vidas. Traídos e devastados pelo sequestro de um valioso membro da equipe, o Clube do Corvo agora conta com poucos recursos e aliados, e quase nenhuma esperança. Enquanto isso, forças descomunalmente poderosas se abatem sobre Ketterdam para desenterrar os segredos mais sombrios da potente droga conhecida como jurda parem, ao passo que antigos rivais e novos inimigos surgem para desafiar a perspicácia de Kaz e testar a frágil lealdade de seus parceiros. Agora, todos terão de enfrentar seus próprios demônios, e será preciso muito mais do que sorte para sobreviver à guerra que está se armando nas ruas obscuras e tortuosas desse implacável submundo – uma batalha por vingança e redenção que decidirá o futuro do mundo Grisha.

Sem palavras. É assim que me defino ao terminar Crooked Kigndom. Finalizando a duologia Six Of Crows, temos uma esplêndida obra que coloca mais um pilar primoroso no universo Grisha. Se encantar e se deixar levar pela história é praticamente certo, afinal, Kaz, Inej, Mathias, Nina, Wylan e Jesper são uns dos melhores personagens que li.

Após a missão na Corte do Gelo, Kaz Brekker e sua equipe se encontra num estado lastimável em Ketterdam. Traídos e devastados, eles entrarão num túnel sem fim onde só poderão sair totalmente vitoriosos ou totalmente pisados sem misericórdia. Tendo como seus maiores inimigos Pekka Kollins e Van Eck, terão que construir o melhor plano possível para salvar o membro raptado do Clube do Corvo e reerguer a reputação de cada um que foi manchada. Sem erros, sem pistas, sem rastros. Mas nada será fácil. Assim como eles terão que pensar nos próximos passos, seus inimigos fazem o mesmo movimento. No final, quem se sairá melhor? Quem terá o poder?


É incrível como a união de bons protagonistas a um enredo eletrizante podem modificar um volume. Crooked Kingdom tem essa junção. Uma construção que demora a andar, perceptível em Six of Crows, que trazendo as pitadas de omissões certas, desestruturação certa, se torna uma fantasia sem igual. Trabalhar com ladrões e pessoas de personalidades diferentes em um universo mágico que já possui um encantamento nos leitores, foi um recurso certeiro utilizado. Se quem conhece os Grishas se sentiu atraído por toda mitologia trabalhada, aqui se surpreende mais ainda.

É um desenvolvimento linear. Trabalha bastante no suspense, no drama e no mistério regularmente. Não existe uma página que não tenha algo omitido para ser melhor explicado na frente. Novamente o recurso de esconder do leitor o próximo passo que a gangue dá nas estratégias, nos deixando no escuro, é brilhante. Você se sente atraído a descobrir essas revelações de uma tal maneira que não para até alcançar a resposta. E isso se torna mais fascinante ainda quando num mundo onde alguns tem poderes mágicos, os Grishas, tudo será feito por pessoas "normais", pessoas sem poderes. Dar voz e autoridade ao oposto conhecido na sua outra série é o que chama atenção. Não se necessita e depende somente de mágica para fazer a roda girar e as aventuras acontecerem, basta mentes brilhantes e dispostas a tudo por vingança e sonhos que as cenas desdobrarão-se. Sinto que essa foi uma jogada proposital da autora, mostrar outras vertentes de algo conhecido, que deu super certo. 

"Vocês querem? Querem o seu dinheiro? O dinheiro pelo qual lutamos, sangramos e pleo qual quase nos afogamos? Ou vocês querem que Van Eck continue feliz por ter escolhido um bando de zé ninguéns do Barril para sacanear? Porque ninguém mais irá fazê-lo pagar por isso. Ninguém mais se importa com o fato de ele ter nos enganado ou de termos arriscado a vida por nada. Ninguém mais vai consertar as coisas. Então eu estou perguntando, mais uma vez, vocês querem derrotas Van Eck?" pág. 140

O que me faz falar com total certeza que foi o melhor exemplar lido até agora no ano, é a qualidade crua do grupo principal. Se conhecidos anteriormente nos cativam, aqui então é impossível não ser atraído. Diversificados, diferentes ao seu modo, eles juntos são imbatíveis. A conexão que formou-se no meio deles é ímpar, no sentido que eles sempre serão afetados pelos demais. Para pessoas que não tinham nada em comum, a amizade e cumplicidade formada é o que faz o chamariz. Fora os casais formados, que um especificamente não se era sonhado no antecessor e aqui foi desenhado, é estupendo. Eles se completam nas qualidades e defeitos, eles se entendem nas personalidades, eles se comunicam pelo gesto, virando um só elo. O Clube do Corvo tornou-se algo maior que simplesmente uma união para um prêmio que todos queriam. Mesmo que no final as coisas não andem como todos planejam, os momentos vividos marcaram todos e modificaram seu eu interno.

E talvez esse seja o único problema encontrando: temos um final inesperado. Uma cena que me fez debulhar em lágrimas por no mínimo 30 minutos. No final nem tudo ocorrerá do modo que queremos. Haverá tristeza, haverá arrependimento, haverá incertezas que deixarão abertos novos caminhos. Senti falta de um epílogo que resgatasse aquilo repetido diversas vezes ao longo da série, a amizade formada, contudo ao mesmo tempo entendo o que foi feito. Não reclamo porque as novas perspectivas deixadas me deixaram feliz na medida do possível. Mostra que somos perceptíveis a erros, a termos defeitos, e que somos capazes de superá-los e entendê-los. Podemos supor que essa falta de informação no final abre uma nova estrada para algum spin-off?! Não seria contra não!


De uma forma geral falo com convicção que é uma das melhores duologias lidas, uma das melhores fantasias lidas, uma das melhores narrativas lidas. Tornou-se um dos meus livros favoritos por ser completo. Não existe nenhum ponto — aventura, suspense, drama, romance, impacto, reviravolta, surpresa, decepção, felicidade, tristeza — que algum fã de fantasia possa falar que não foi colocado. São 448 páginas que te deixa conectado em tudo, que te dá uma ampla visão do que é lido, te traz todos os sentimentos possíveis numa história e no final temos a sensação de dever cumprido. Ele faz jus ao objetivo que foi criado. 

A parte física é que detêm os maiores problemas. Entrando em opinião pessoal a capa é uma das horríveis que poderia imaginar. Os tons são mal escolhidos, as fontes se diferem do primeiro, a lombada não segue o padrão do primeiro, ou seja: um erro total. Sei que não era possível manter a original, entretanto as cores escolhidas não condizem com o conteúdo "sombrio" passado. A imagem escolhida, e a permanência de parte do título em inglês são acertadas, sendo ofuscadas infelizmente pelos erros. Confesso que só comprei a versão brasileira por não saber ler inglês. Fora a substituição das folhas internas — da primeira parte elas são mais grossinhas que as daqui — que foi um erro, podendo ser justificadas pela crise econômica e a falta de brindes nas vendas. Em vários países foram oferecidos diversos mimos, e aqui além de caro, nada à mais. Decepcionou um pouco Gutenberg.

"Eu já levei facadas, tiros e tantos socos que nem dá para contar, tudo por um pequeno pedaço desta cidade", Kaz disse. "Esta é a cidade pela qual sangrei. E se Ketterdam me ensinou alguma coisa, é que você sempre pode sangrar um pouco mais." pág. 295

E falando das partes boas, a diagramação interna continua impecável, com um mapa inicialmente, uma novidade que foi a lista de personagens — que ajudou muito a situar-me novamente no ambiente — além das divisões das partes mantida com as folhas pretas. Não atrapalha como um todo, todavia percebemos uma falta de revisão melhor. A narrativa que também é um diferencial é feita em terceira pessoa por vários pontos de vistas. 

Defino Crooked Kingdom como marcante. Aos fãs do gênero, é uma ótima oportunidade de ler algo único e primoroso. Me conquistou sem igual, e com certeza vale a pena ler até o último suspiro. Sei que recomendo demais, e falo novamente: leiam! Uma novidade para quem gostou da mitologia russa, é que a Leigh Bardugo anunciou um novo livro em 2019 com um protagonista conhecido por nós: Nikolai ou o famoso Sturmhond. Um dos meus preferidos de Sombras e Ossos, tenho altíssimas expectativas do que possa vir. Quero para ontem <3 Espero que tenham gostado.

E vocês já leram a duologia? Não conheciam? Ficaram curiosos? Deixa nos comentários (; 

18 comentários :

  1. Oi tudo bem?
    Tem livros que nos deixa mesmo sem palavras e ao meu ver são os melhores! Mesmo que você tenha amado a leitura confesso que o enredo não me chamou tanto a atenção pois tenho um pé atrás em relação a livros de fantasia.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Eu não conhecia a duologia, mas me parece ser uma grande aventura, sem mencionar a lindeza da capa. Nem vou dizer que estou me roendo de curiosidade quanto ao livro ter algo de mitologia russa. Nunca li nada a a respeito. Dica anotada.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Quero muito ler esse livro, aliás, ainda não li Six of Crows, e ouvi muita gente falando super bem da duologia. Acho esse universo criado muito complexo, o que é muito legal.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  4. Hey, Carol!

    Eu já li alguns contos do Leigh Bardugo e, sinceramente, não consegui gostar de nenhum. Tenho muita curiosidade e vontade de ler esses dois livros, mas, ao mesmo tempo, também tenho medo de pegar Six of Crows pra ler e, mais uma vez, me decepcionar com esse autor... rsrs
    Ainda estou na dúvida. Talvez eu dê uma chance.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Tenho MUITA vontade de iniciar essa série, acho a proposta dela incrível. E esse segundo livro não deixou nada a desejar para o primeiro. É uma pena que você não gostou dessa capa. Eu amei!
    Abs
    Nizete
    Cai do leitor

    ResponderExcluir
  6. Olá
    Estou bem curiosa com essa história, ainda não tinha lido nada sobre esse segundo livro, e agora lendo sua resenha estou com mais vontade ainda de ler os livros.
    Sobre o preço que você citou ando reparando que os preços de grande parte dos livros de fantasia anda pela hora da morte, eles colocam um preço exorbitante, pouca gente compra, aí inventa a desculpa que fantasia não vende, triste a vida do leitor de fantasias no Brasil T.T

    ResponderExcluir
  7. olá... confesso que não conhecia a duologia, mas ultimamente ando meio desanimada pra ler Fantasia... fico feliz que a leitura tenha sido maravilhosa pra vc, surpreendente e tenha te feito chorar. amo quando livros fazem isso comigo ahahaha
    bjs...

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem?

    Eu tenho um grande interesse em ler Leigh Bardugo, em ler essa duologia, curto bastante fantasia e espero ter a oportunidade de ler Crooked Kingdom. Adorei a sua resenha, dica anotada!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  9. Olá,
    Eu já ouvi falar do primeiro, mas não tenho um real interesse na duologia. Falando da capa eu realmente achei que seria algo menos dark do que você descreveu, não está combinando mesmo.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  10. Olá, eu já ouvi falar maravilhas sobre esses livros da autora, mas eu passo a dica. Eles não são os livros que me chama atenção

    ResponderExcluir
  11. Oi Carol.

    Eu não conhecia a duologia, mas com uma capa linda dessa o livro chamou bastante minha atenção. Sua resenha conseguiu me deixar ainda mais curiosidade pela edição. Parabéns resenha e sua dica está anotada.

    Bjos

    ResponderExcluir
  12. Oiiii!!!

    Toda vez que vejo algo desse livro eu fico louca para ler e agora depois dessa resenha nem sei o que dizer kkkk.

    Só vejo opiniões positivas e a sua resenha está incrivel, tenho que ler logo e a lista só aumenta kkkk.

    Um beijo da Jhenny

    http://sussurrandosonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Carol, nunca li nada do autor e por sua empolgação fiquei animada para investir na obra dele.

    Bjo
    Tânia Bueno

    ResponderExcluir
  14. Oie
    muito boa sua resenha e parece ser um livro para lá de instigante, cheio de historia e pesado, bela dica e resenha, com certeza vou indicar para alguns amigos que irao amar

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Eu não sou a maior fã de fantasia e essa duologia é uma das poucas que me chamam a atenção... Primeiro, a capa me ganhou e depois a sinopse... Espero conseguir ler os dois livros em breve! A sua resenha está deliciosa de ser lida, parabéns!

    ResponderExcluir
  16. Mulheeer eu mal tive tempo de iniciar o primeiro livro direito e você já vem esse tiro do segundo? *o* #necessito ler esses livrooos.

    ResponderExcluir
  17. Oi Ana, tudo bom?
    Eu não conhecia essa duologia, então fui pescar rapidinho a resenha do primeiro livro, gostei muito do tema, até então só tinha passado pela frente do livro na livraria. Gostei da sua resenha, apesar de não ter pego todos os detalhes com medo de sacar alguma coisa do primeiro. Vou colocar como meta de leitura! Adoro series assim :)

    Beijinhos,
    Camila.

    Blog Próxima Página
    FACEBOOK
    TWITTER
    INSTAGRAM

    ResponderExcluir
  18. Olá adorei sua resenha a fotos, gosto muito de fantasia então acredito que a leitura seja incrível, eu já li mulher maravilha da autora e fiquei encantada com sua escrita, um grande beijo!

    ResponderExcluir

Olá! Colocar um comentário me deixaria muito feliz pois saber sua opinião é essencial para o blog. Espero que tenha gostado e volte sempre :)

TOPO