27 de mai. de 2020

[TAG] Um Livro Que Você

em 27 de mai. de 2020

1 comentário

Olá leitores, tudo bem? Hora de trazer aquela booktag marota por aqui e no Instagram! Essa eu vi no perfil da @umagarotaentrelivros e achei super interessante. Confira ela:

22 de mai. de 2020

[Resenha] Por Lugares Incríveis

em 22 de mai. de 2020

3 comentários
Livro: Por Lugares Incríveis
Autora: Jennifer Niven
Editora: Seguinte
Páginas: 336
Gênero: Drama / Juvenil / Romance
Nota: ⭐⭐⭐ + 0,5
Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, a garota se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e chamado de “aberração” por onde passa. Para piorar, é obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família. Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: conhecer lugares incríveis do estado onde moram. Ao lado de Finch, Violet para de contar os dias e finalmente passa a vivê-los. O garoto, por sua vez, encontra alguém com quem pode ser ele mesmo, e torce para que consiga se manter desperto.

Violet Markey e Theodore Finch se conhecem de uma maneira inusitada: na marquise do alto da torre da escola, prestes a pularem. Cada qual tentando lidar com suas dores e problemas, eles encontram na amizade um elo que muda drasticamente a forma como estão vivendo. Violet é traumatizada pelo acidente de carro sofrido junto da irmã, onde somente ela sobrevive e tem sentimento de culpa. Finch é julgado "aberração" por sua forma diferente de ver o mundo, e sofre de longos apagões — períodos de depressão — que não é notado por ninguém da família. Ambos aprenderão que a vida deve ser vivida.

20 de mai. de 2020

[Bate Papo] Chá de Sumiço? Livros que não se acha mais em livrarias

em 20 de mai. de 2020

8 comentários

Olá leitores, tudo bem? Hoje trouxe uma tema para bate-papo que vem me remoendo desde que comecei a procurar um determinado livro, e que nem por um decreto me deparo com ele fora de revendas.


18 de mai. de 2020

[Resenha] Príncipe Cativo: O Escravo

em 18 de mai. de 2020

11 comentários
Livro: Príncipe Cativo: O Escravo #1
Série: Príncipe Cativo
Autora: C. S. Pacat
Editora: V&R
Páginas: 320
Gênero: Medieval / LGTBQ+
Nota: ⭐⭐
Damianos é um herói para o seu povo e o legítimo herdeiro do trono de Akielos. Mas, depois da morte do pai, seu meio-irmão toma o poder e o captura, vendendo-o como escravo. O guerreiro é obrigado então a servir a Laurent, o príncipe de Vere, a poderosa nação inimiga. Para manter em segredo sua verdadeira identidade e as marcas que escondem seu passado, Damen – como também é conhecido – aceita a condição submissa. Mas Laurent é o que há de pior na corte de Vere. E, como nos meios políticos nada é o que parece ser, Damen é obrigado a estar ao lado do tirano manipulador, ainda que ele o odeie mais do que a qualquer pessoa. Laurent e Damen têm consciência de que não são sentimentos nobres que os aproximam, mas o desejo de supremacia que está na origem da discórdia entre as duas nações. Com um ritmo de tirar o fôlego, Príncipe Cativo: O escravo é uma narrativa que coloca em questão temas políticos e culturais. Uma saga épica, ao estilo de “Game of Thrones”, que entrelaça de maneira brilhante jogos de poder e sedução.

Príncipe Cativo: O Escravo traz a premissa de ser o primeiro livro de uma trilogia diferenciada. Nos seus moldes, ele não deixa de ser. No entanto, infelizmente, características trazidas na narrativa me incomodaram, sobrepujando qualquer alternativa de continuar a série. É triste porque esperei demais da obra, e me decepcionei.

13 de mai. de 2020

[TAG] Colleen Hoover #CoHoTAG

em 13 de mai. de 2020

9 comentários

Olá leitores, tudo bem? Como uma grande fã da Colleen Hoover, quando vi essa booktag  sendo respondida no Instagram, não poderia perder a oportunidade de também fazê-la por aqui! Então sem mais delongas, vamos lá:

11 de mai. de 2020

[Resenha] Sombria e Solitária Maldição

em 11 de mai. de 2020

18 comentários
Livro: Sombria e Solitária Maldição #1
Série: Cursebreakers
Autora: Brigid Kemmerer
Editora: Plataforma 21
Páginas: 504
Gênero: Fantasia / Jovem Adulto
Nota: ⭐⭐⭐⭐⭐💗
Quando um reino é amaldiçoado, o amor floresce nos lugares mais sombrios. O reino de Emberfall está sob ameaça. Amaldiçoado por uma poderosa feiticeira, o príncipe Rhen foi condenado a repetir seu aniversário de dezoito anos por sucessivos outonos. E, com a chegada desta estação, ele se transforma num monstro que destrói tudo e todos que cruzam seu caminho. A maldição só será quebrada se uma garota se apaixonar por ele. A vida de Harper nunca foi fácil. A garota nasceu com uma restrição de movimento causada por uma paralisia cerebral. O pai da jovem abandonou a família há muito tempo, e sua mãe está morrendo. Além disso, seu irmão assumiu as dívidas do pai e está envolvido com gente barra-pesada. Porém, um dia, ela tenta salvar uma desconhecida nas ruas de Washington DC e é atraída para um reino encantado. Harper não sabe onde está ou em que acreditar. Um príncipe? Uma maldição? Um monstro? Mas, quanto mais ela convive com Rhen nessa terra amaldiçoada, mais ela compreende o que está em jogo. Ao mesmo tempo, o príncipe percebe que Harper não é só mais uma garota – ela é sua única esperança. Entretanto, forças poderosas se erguem contra Emberfall e será necessário mais do que uma maldição quebrada para salvar Harper, Rhen e seu povo da ruína total.

Sombria e Solitária Maldição está com o posto de melhor leitura realizada em 2020, até agora. Tinha ouvido falar do mesmo, sabia das suas qualidades, porém não esperava o tipo de arrebatamento que me assomou. Cursebreakers carrega agora o peso de, talvez, ser uma das melhores séries que conheci desde o lançamento da duologia Six of Crows.


TOPO