26 de jun de 2017

[Resenha] Diga Sim ao Marquês

Livro: Diga Sim ao Marquês #2
Série: Castle Ever After
Autora: Tessa Dare
Editora: Gutenberg
Páginas: 288
Gênero: Romance de Época
Nota: 4/5
Aos 17 anos, Clio Whitmore tornou-se noiva de Piers Brandon, o elegante e refinado Marquês de Granville e um dos mais promissores diplomatas da Inglaterra. Era um sonho se tornando realidade! Ou melhor, um sonho que algum dia talvez se tornasse realidade.Oito anos depois, ainda esperando o noivo marcar a data do casamento, Clio já tinha herdado um castelo, tinha amadurecido e não estava mais disposta a ser a piada da cidade. Basta! Ela estava decidida a romper o noivado. Bom, isso se Rafe Brandon, um lutador implacável e irmão mais novo de Piers, não conseguir impedi-la. Rafe, apesar de ser um dos canalhas mais notórios de Londres, prometeu ao irmão que cuidaria de tudo enquanto ele estivesse viajando a trabalho. Isso incluía não permitir que o Marquês perdesse a noiva. Por isso, está determinado a levar adiante os preparativos para o casamento, nem que ele mesmo tenha que planejar e organizar tudo. Mas como um calejado lutador poderia convencer uma noiva desiludida a se casar? Simples: mostrando-lhe como pode ser apaixonante e divertido organizar um casamento. Assim, Rafe e Clio fazem um acordo: ele terá uma semana para convencê-la a dizer “sim” ao Marquês. Caso contrário, terá que assinar a dissolução do noivado em nome do irmão. Agora, Rafe precisa concentrar seus punhos e sua força em flores, bolos, música, vestidos e decorações para convencer Clio de que um casamento sem amor é a escolha certa a se fazer. Mas, acima de tudo, ele precisa convencer a si mesmo de que não é ele que vai beijar aquela noiva.

Tessa Dare sempre me conquistando cada vez mais por trazer elementos inovadores dentro do romance de época, afinal ler uma história de um lutador e uma mocinha de personalidade forte bem escrita em 1800 é para poucos. Deixe seu coração em Diga Sim ao Marquês.

Clio Whitmore após herdar um castelo decide dar um basta ao noivado que perpetua durante 8 anos. Piers Brandon lhe pediu casamento ainda nova e era um sonho tornando-se realidade. Porém a maturidade chega, as situações mudam, e Clio quer ter sua independência não querendo mais casar-se com Piers. pois seu amor esfriou. Por ele estar anos fora da cidade, ela terá que fazer o anulamento de casamento através do irmão dele, Rafe Brandon.



Rafe Brandon é um dos maiores libertinos de Londres. Tendo como profissão ser lutador — ainda mal visto na época — ele deixou sua cadeira da aristocracia querendo o mais rapidamente possível sua independência para viver longe de seu pai. Rafe é surpreendido com a Clio, uma menina que conhece desde a infância, batendo na sua porta pedindo a anulação do casamento com o seu irmão. Tentando remediar de qualquer maneira essa tragédia, ele entra numa aventura para convencer nossa protagonista que casamento é uma coisa bela e ótima de ser planejada. Mas como ninguém manda nos sentimentos, eles se veem cada vez mais conectados e próximos, fazendo uma paixão se acender. Será capaz dos dois se entenderem e de deixar a opinião da sociedade não ditá-los?

Castle Ever After foi uma série que veio "quebrando paradigmas" de alguns esteriótipos que até então se via muito decorrente no gênero. Trazer um deficiente visual e agora um lutador como personagens principais com suas dificuldades na época, para mim é uma novidade. Essa sagacidade funcionou tão bem com a escrita da autora, que é meio difícil você não se apaixonar. É praticamente impossível parar a leitura até chegar no fim.

"Não eram bolos que ele desejava. Era isso. Aquela proximidade. Aquela maciez. A doçura que não vinha do açúcar, mas dela. Só dela. Cada fiapo de sua consciência gritou para que ele lembrasse de sua carreira. Que pensasse no irmão. Que, pelo amor de Deus, saísse de cima dela. Mas ela era tão encantadora e linda — e não era só doce, tinha um toque picante na quantidade perfeita." pág. 99

Primeiro que o desenvolvimento além de dinâmico, é divertido, irônico, ao mesmo tempo que é leve e tem pitadas certas de drama. Impressiona que mesmo um clichê, afinal todo romance é clichê, pode te surpreender. E isso é uma dos pontos certeiros da autora e que a faz destacar-se no meio, ao meu ver. Seu erótico tem o tom certo, a tensão do enredo tem o tom certo, os personagens se fixam no seu caráter até o limite exato fazendo com que tudo seja fluido.

E quanto tocamos no quesito personalidade, suas mocinhas arrasam. É uma contradição falar que elas tem atitudes, pensamentos avançados da época e também se adequam ao período descrito. Porque ver atitudes que talvez não observássemos na sociedade, juntamente com as preocupações de reputação, aristocracia que esse mundo trazia é confuso. Atitudes que não eram tão aceitas misturadas com comportamentos que hoje achamos banais mas que em 1800 eram importantes é características das mocinhas e da Clio. É gostoso de ler esse equilíbrio.



Como podem ver sou completamente rendida pela escritora e esse segundo volume só veio para consagrar aquilo que eu já sabia: Tessa Dare é uma das minhas favoritas. O conjunto da obra é tão fenomenal que vejo poucos pessoas falando mal de algo dela. Arrisque, porque é uma ótima forma de conhecer o gênero, ou iniciá-lo de pé direito.

Na parte física, grande destaque para a capa que acho lindíssima. Tem a ver com as características descritas na história, até mesmo o vestido tem similaridade com uma cena, o castelo interliga-se ao nome da série e a montagem ficou bem colocada. Gutenberg é uma das editoras que mais elogio nessa criação de capa e pelo jeito isso se perpetua. A diagramação tem uns toques especiais de acordo com o que nos é apresentado — no caso é flores e anel remetendo a casamento — e a revisão sem nenhum erro aparente. 

Já estou com o último volume aqui e espero ler bem em breve, nas férias. Já tenho grandes expectativas pela sinopse, e por ter escocês. Ansiosa para A Noiva do Capitão. E vocês, já leram algo da autora? Da série? Ficaram com vontade? Deixa nos comentários!

24 de jun de 2017

[Resenha] Amante Desperto

Livro: Amante Desperto #3
Série: Irmandade da Adaga Negra
Autora: J.R.Ward
Editora: Universo dos Livros
Páginas: 464
Gênero: Sobrenatural/Romance
Nota: 5/5
Nas sombras da noite em Caldwell, Nova York, desenrola-se uma sórdida e cruel guerra entre vampiros e seus carrascos. Há uma irmandade secreta, sem igual, formada por seis vampiros defensores de sua raça. Dentre eles, Zsadist é o membro mais assustador da Irmandade da Adaga Negra. Tendo sido por muito tempo um escravo de sangue, Zsadist ainda carrega as cicatrizes de um passado repleto de sofrimento e humilhação. Conhecido por uma fúria que não acaba e por atos sinistros, ele é um selvagem, temido igualmente por humanos e vampiros. A raiva é sua única companheira e o terror, sua única paixão... Até que resgata uma bela vampira das garras da maligna Sociedade Redutora. Bella sente-se imediatamente enfeitiçada pela ardente força que emana de Zsadist. Entretanto, mesmo quando o desejo de ambos começa a consumi-los, a sede de vingança de Zsadist contra os torturadores de Bella o leva à beira da loucura. Agora, Bella deve ajudar seu amante a superar as feridas de seu atormentado passado e vislumbrar um futuro ao lado dela.

Zsadist é um personagem que estava aguardando ansiosamente sua história desde seu aparecimento no primeiro volume da saga da Irmandade da Adaga Negra. Com um passado perturbador e que o definiu como é atualmente, tinha-se muito o que explorar para deixar os leitores cativados. J.R. Ward fez isso. Prepare-se para ter seu coração destroçado.

Após ser sequestrada pelos Redutores — ainda em Amante Eterno — Bella perdeu a esperança de viver. Há semanas nas mãos do seu inimigo e não acreditando mais que alguém possa salvá-la, só reza para ir pro Fade — reino atemporal onde os mortos se reúnem com seus entres queridos por toda eternidade. Até que por um descuido do seu raptor, um dos vampiros civis levados para alimentá-la consegue fugir e falar com a Irmandade o local que estava e Bella ainda está.

22 de jun de 2017

[Resenha] Chamas do Passado

Livro: Chamas do Passado #4
Série: Homens Marcados
Autora: Jay Crownover
Editora: V&R Editoras
Páginas: 298
Gênero: Jovem Adulto
Nota: 5/5

Nash Donovan tem o corpo quase todo coberto por um enorme dragão. Seu jeito imponente de andar, a intensidade de seus olhos violeta e sua pecaminosa pele dourada garantem ao tatuador um mistério capaz de enlouquecer qualquer mulher. O bad boy não é do tipo que acredita no amor. Porém, por trás de todo o seu ar marrento, existe uma ferida que ainda está aberta. A enfermeira Saint Ford nunca superou o bullying na adolescência e nem a dor causada por seu primeiro amor. Quando os anos de colégio acabaram, ela se mudou para outra cidade para tentar apagar as lembranças do passado. Agora, a ruiva voltou para Denver e tornou-se uma mulher encantadora e uma excelente profissional. Porém, ela ainda é insegura e não consegue confiar em homem algum.Uma fatalidade fez com que o caminho deles voltasse a se cruzar. Somente Saint poderá curar as dores de Nash. Mas, para isso, ela deverá permitir que o calor das chamas dele derreta o seu coração. E Nash é o único homem capaz fazê-la se sentir uma mulher desejada de verdade. Chamas do passado é um romance sobre autoaceitação e desejo. Uma história envolvente temperada com intensas cenas de paixão.

Com o meu casal favorito da série Homens Marcados, Jay Crownover chega no quarto livro da série ainda em alta. É incrível como um romance um pouco diferenciado pode nos cativar de maneira única, principalmente quando você se identifica com os personagens. E o que não falta aqui é personagens para admirar.

Após a bomba soltada em Armas da Sedução, Nash passa a frequentar diariamente o hospital de Denver. Com um parente muito próximo doente, ele acaba encontrando diversas vezes Saint Ford.  Saint Ford é uma enfermeira que na adolescência fez parte da sua vida. Estudando na mesma escola, e totalmente deslocada do seu grupo de amizade, ele não sabe que seu passado rebelde acabou deixando cicatrizes nela. E agora, achando a bonita, e se interessando mais pela sua personalidade, ele desconhece ainda o que não faz ela se entregar de corpo e alma. Sendo insegura, tímida e fechada, é um mistério que ele quer muito resolver e ter na vida. Além de não querer entregar novamente seu coração de bandeja para alguém que talvez não o ame. Será que os dois conseguirão superar o passado e ter um futuro? O que Nash fez para deixar tantas marcas na Saint?

20 de jun de 2017

[TAG] dos 50% de 2017


Meio do ano e estamos aqui, fazendo a famigerada TAG dos 50%. Estou bem feliz com todos os livros lidos no ano, mas como sempre, temos as surpresas, decepções, os que não gostou e muito mais. Por isso resolvi respondê-la. Vamos lá? Ela é grandinha — então tenham paciência — e tentarei ser breve nas respostas. 

1. O MELHOR LIVRO QUE VOCÊ LEU ATÉ AGORA, EM 2017.
Difícil. Eu sempre sou péssima para falar melhor livro do ano, semestre ou algo assim pela quantidade que eu leio. Porém um diferente e que não deva comentar mais para frente é The Heart of Betrayal de Crônicas de Amor e Ódio da Mary E. Pearson. Quem já viu as resenhas por aqui sabe que eu ando diferente da opinião de massa com relação a um personagem que é meu favorito. Ver seu crescimento aqui me pegou de surpresa e eu adorei.

2. A MELHOR CONTINUAÇÃO QUE VOCÊ LEU ATÉ AGORA, EM 2017.
A Esperança de Jogos Vorazes, Suzanne Collins. Depois de anos enrolando o início e o fim da trilogia, tomei coragem e li os três seguidos. Porém como comecei em 2016, os dois últimos ficaram para 2017 e com certeza ainda nenhuma série que comecei ano passado, bateu a melhor continuação que A Esperança. Jogos Vorazes é Jogos Vorazes né?

16 de jun de 2017

[Bienal do Livro RJ] Autores internacionais confirmados



Menos de 3 meses para um dos maiores eventos literários do Brasil, trago para vocês alguns autores confirmados que estarão nesse super evento. São autores trazidos pela Bienal do Livro RJ, ou pela editora, ou que estamos com algumas suposições de vir. Vamos ver quais são?


14 de jun de 2017

[Resenha] Outlander, A Libélula no Âmbar

Livro: Outlander, A Libélula no Âmbar #2
Série: Outlander
Autora: Diana Gabaldon
Editora: Saída de Emergência (atualmente é publicada pela Arqueiro)
Páginas: 944
Gênero: Romance/Histórico/Fantasia
Nota: 5/5
Claire Randall guardou um segredo por vinte anos. Ao voltar para as majestosas Terras Altas da Escócia, envoltas em brumas e mistério, está disposta a revelar à sua filha Brianna a surpreendente história do seu nascimento. É chegada a hora de contar a verdade sobre um antigo círculo de pedras, sobre um amor que transcende as fronteiras do tempo... E sobre o guerreiro escocês que a levou da segurança do século XX para os perigos do século XVIII. O legado de sangue e desejo que envolve Brianna finalmente vem à tona quando Claire relembra a sua jornada em uma corte parisiense cheia de intrigas e conflitos, correndo contra o tempo para evitar o destino trágico da revolta dos escoceses. Com tudo o que conhece sobre o futuro, será que ela conseguirá salvar a vida de James Fraser e da criança que carrega no ventre?

Uma situação já esperada se confirmou: Diana Gabaldon está entre minhas escritoras favoritas. Não tem como qualquer outra autora gerar a mistura certa de gêneros no ponto ideal fazendo com que 944 páginas sejam lidas de maneira rápida sem torná-la cansativa. E A Libélula no Âmbar, é meu novo favorito da série.

Por ser continuação e por trazer dois momentos distintos na narrativa, não farei um resumo do que se trata a história porque qualquer situação pode levar a um spoiler, e como eu não gosto, não me acho no direito de dar para os leitores. O que se é certo: teremos a continuação das cenas da Claire e do Jaime de modo impecável.